A laranjada do PSL já chegou à PF: Moro não vai fazer nada? Por Fernando Brito

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO TIJOLAÇO

“A polícia tem os áudios”.

A frase da candidata “laranja” Cleuzenir Barbosa, uma das quatro que receberam dinheiro do Fundo Eleitoral e o repassou à campanha do deputado e hoje ministro do Turismo Marcelo Alvaro Antonio, empurra um imenso abacaxi, outra vez, para o colo do governo.

E desta vez, direto para Sérgio Moro, que pretende ter hoje o seu dia de glória, com a apresentação de seu “pacote anticrime” que diz ser contra a corrupção.

Porque a a polícia que “tem os áudios” é a Polícia Federal e, portanto, o Ministro da Justiça, que é seu chefe hierárquico, tem conhecimento deles e de seu teor.

E é o ministro que disse que cuidaria de pedir a demissão de outros contra os quais houvesse indícios “consistentes” de malfeitorias.

A confissão da intermediária do desvio de verbas, explícita, expressa e publicada, com todos os detalhes sórdidos pela Folha, ainda mais acompanhada de cheques, extratos e até prestação de contas ao TSE, amparada por áudios que estão em mão dos policiais, seria “consistente”?

É a pergunta absolutamente obrigatória a fazer hoje, na provável entrevista que dará em seu momento de triunfo punitivista.

Que pode ser pior, se ocorrer a algum repórter perguntar: “Ministro, o ato de exoneração de Marcelo Alvaro Antonio, explicado como simplesmente burocrático para que ele voltasse à Câmara por um dia para desarquivar projetos, saiu publicado com a sua assinatura, ao contrário do que aconteceu com três outros ministros na mesma situação. Qual foi a razão do senhor ter assinado este e não ou demais?”

A resposta, talvez, esteja numa frase na mesma Folha, onde a deputada Joice Hasselman “explica” a diferença entre o caso do ministro do Turismo e o do defenestrado Gustavo Bebianno:

O presidente e o Marcelo conseguiram ter uma conversa e conseguiram se acertar.

Para usar as expressões do “velho” Moro não é o caso de, “em cognição sumária”, imaginar que a exoneração era por outro motivo, diferente do apontado, e que depois foi revertida pelo que Hasselman diz ter sido um “acerto” com Bolsonaro?

Não deixa de ser, no mínimo, curioso que Moro vá se apresentar hoje como o “xerife da moralidade” deste Governo enquanto dele, depois da lama de cinco dias que esteve mergulhado no caso Bebianno se veja agora às voltas com a sirene estridente que soa na Folha com a entrevistada candidata laranja de outro ministro.

Ou não haverá interesse em apurar o que diz a candidata: “Esse povo é perigoso. Hoje eu sei, eles são uma quadrilha de bandidos.”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!