A lição da família do ambulante Ruas, que acalmou a multidão enfurecida que queria linchamento. Por Paulo Ermantino

Paulo Ermantino, fotógrafo e artista gráfico autodidata nascido em São Paulo, enviou ao DCM seu relato sobre o dia em que os familiares do ambulante Ruas encontrou os assassinos no metrô Barra Funda, em SP.

 

Na última quarta, 28/12, os dois homens acusados de agredir até a morte o vendedor ambulante Luis Carlos Ruas, de 54 anos, foram levados pela polícia ao Delpom (Delegacia de Polícia do Metropolitano), que fica na estação de metrô Barra Funda, em São Paulo.

No local, os familiares de Ruas já os esperavam, emocionados.

Dos sobrinhos, ecoavam por todo o Terminal Barra Funda os gritos sofridos por “Justiça”. Gritos que começavam com revolta e iam se apagando em dor, e ao final de cada grito, lágrimas escorriam pelo rostos simples e fechados.

Em outros momentos, eles gritavam “covardes” e “monstros” em alusão à forma com que Ruas foi assassinado, com socos e pontapés, por defender uma travesti que também fora agredida pela dupla.

As mãos deles agarravam com força as grades que os seguranças do metrô e os policiais civis colocaram para isolar a delegacia e ao solta-las, era possível observar as mãos tremendo, nervosamente.

Obviamente, esses gritos despertavam a atenção dos passageiros que circulavam pelo terminal e mesmo aqueles que já tinham passado pelas catracas do metrô e do trem se aglomeravam e se solidarizaram com a família.

Mas, como em toda aglomeração, alguns, homens e mulheres, já pediam que a polícia entregasse os acusados a eles para que fizessem “justiça”, com j minúsculo, ali mesmo.

Nesses momentos, e foram momentos que ocorreram mais de uma vez, aparecia a irmã de Ruas pedindo calma, pedindo para não ter violência.

E os pedidos da irmã de Ruas para não ter mais violência não era em vão, afinal, Ruas fora assassinado na noite de Natal, enquanto trabalhava como vendedor ambulante em frente da estação de Metrô Pedro II.

Vale lembrar que Ruas era conhecido como Índio e trabalhava ali há mais de 20 anos. De origem humilde, começou a trabalhar ainda criança aos 9 anos de idade.

Neste momento histórico do Brasil em que em uma onda de ódio e intolerância se levanta, inclusive com ataques aos diretos fundamentais dos trabalhadores, Ruas e sua família têm dado uma lição ao Brasil.

Pois Ruas, um único homem, já de meia idade, se interpôs a dois jovens fortes, que agrediam outra pessoa, e pagou com sua vida. E sua família, apesar de toda a dor, tem demonstrado uma superioridade ao não trilhar o fácil e popular caminho da vingança.

Que nos sirvam de exemplo e a história deste trabalhador e de sua família não seja esquecida.

Familiares de Luis Carlos Ruas prFoto: Paulo Ermantino/Raw Image
Os sobrinhos de Ruas pedem justiça (Fotos: Paulo Ermantino/Raw Image)

Nesta quarta 28/12, familiares de Luis Carlos Ruas, assassinado na noite de 25/11 no Natal, protestam e pedem por justiça em frente a 6 Delpom no metrô Barra Funda durante a chegada de acusado de participar da agressão. Foto: Paulo Ermantino/Raw Image

Nesta quarta 28/12, acusado de assassinato de Luis Carlos Ruas na noite de 25/11, no Natal, chega algemado a 6 Delpom no metrô Barra Funda. Familiares da vítima protestam no local e pedem por justiça. Foto: Paulo Ermantino/Raw Image

Nesta quarta 28/12, familiares de Luis Carlos Ruas, assassinado na noite de 25/11 no Natal, protestam e pedem por justiça em frente a 6 Delpom no metrô Barra Funda durante a chegada de acusado de participar da agressão. Foto: Paulo Ermantino/Raw Image

Nesta quarta 28/12, familiares de Luis Carlos Ruas, assassinado na noite de 25/11 no Natal, protestam e pedem por justiça em frente a 6 Delpom no metrô Barra Funda durante a chegada de acusado de participar da agressão. Foto: Paulo Ermantino/Raw Image

Nesta quarta 28/12, familiares de Luis Carlos Ruas, assassinado na noite de 25/11 no Natal, protestam e pedem por justiça em frente a 6 Delpom no metrô Barra Funda durante a chegada de acusado de participar da agressão. Foto: Paulo Ermantino/Raw Image

Nesta quarta 28/12, familiares de Luis Carlos Ruas, assassinado na noite de 25/11 no Natal, protestam e pedem por justiça em frente a 6 Delpom no metrô Barra Funda durante a chegada de acusado de participar da agressão. Foto: Paulo Ermantino/Raw Image

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!