A lição de Patricia Arce, prefeita boliviana agredida brutalmente em 2019 e eleita senadora pelo partido de Evo

Quase um ano depois de ser sequestrada, atacada e perseguida por opositores de Evo Morales, a prefeita do município de Vinto, na província de Quillacollo, no departamento de Cochabamba, Patricia Arce, foi eleita senadora pelo MAS.

Em 6 de novembro de 2019, durante os violentos protestos na Bolívia de setores que não reconheciam a vitória de Morales nas eleições de 20 de outubro, ela foi sequestrada.

Uma turba que entrou no gabinete, levou-a descalça para a rua e a fez caminhar entre pedras e vidros por mais de sete quilômetros.

Ao longo do caminho, foi espancada, barbeada e teve tinta vermelha jogada no corpo.

Horas depois, a polícia interveio, libertou-a da multidão e ela foi internada num hospital local.

“Eles podem ter cortado meu cabelo, me batido, mas minhas idéias ainda estão intactas”, disse algumas semanas depois, quando reassumiu sua posição.

Em abril deste ano, durante o governo golpista instalado após o golpe contra Morales, ela foi presa, junto com seus cinco filhos, acusados ​​de ter organizado uma festa e consumido bebidas alcoólicas durante a pandemia do coronavírus.

Depois de dar negativo nos testes do bafômetro que eles fizeram, denunciou que a prisão foi “perseguição política”.

Neste ano, Patricia Arce decidiu concorrer ao cargo de senadora e venceu.

“Com trabalho, humildade e com o apoio do povo boliviano, recuperamos nosso país, por todos e cada um com unidade e coragem. Quero agradecer aos irmãos e irmãs que confiaram neste projeto que recuperará o estado depois deste golpe. Muito obrigado “, escreveu no Twitter.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!