A maior virtude de Breaking Bad é mostrar a realidade americana

Quer ver como se vive nos Estados Unidos destes dias? Veja a série.

Jesse Pinkman (Aaron Paul) e Walter White (Bryan Cranston)
Jesse Pinkman (Aaron Paul) e Walter White (Bryan Cranston)

Atualmente em sua quinta temporada, afirmo com tranquilidade que Breaking Bad é uma das melhores séries que já assisti. Não é de se espantar que seja tão premiada e consagrada.

É, entre outras coisas, um bom retrato da sociedade americana. Quanto a esse aspecto em particular, li um artigo interessante na revista The Nation. O título era “Breaking Bad frustrou o sonho americano.” Por mais que Max Rivin-Nadler, o jornalista que o escreveu, tenha recebido críticas enraivecidas entre os comentários, acho que essa afirmação faz bastante sentido.

Walter White é um químico brilhante – um gênio, melhor dizendo. Ainda no início da série, Walter possui dois empregos. É professor de química em uma escola e trabalha em um lava rápido. Tem um filho com paralisia cerebral e uma bela esposa que engravida acidentalmente – e é nessa situação que descobre estar com câncer no pulmão. Walter não tem dinheiro para pagar o tratamento, e reluta em aceitar a ajuda de amigos ricos. Ao mesmo tempo, sente que estando perto da morte (possivelmente), seu dever é “prover para sua família”; ou seja, não partir deixando seus ente queridos sem nada.

Começamos por aí. Há uma falha visível no sistema de saúde americano, até parecido com o do nosso país. Afinal das contas, um plano de saúde deve ser capaz de cobrir o tratamento de seu paciente. E, como certamente o de muitas outras pessoas, o plano de Walter não é. Isso já nos faz pensar que é degradante ter que optar entre o tratamento para uma doença e o bem estar de sua família. “As pessoas, muitas vezes, tentam lidar com isso legalmente”, afirmou Max Rivin-Nadler, “mas o resultado costuma ser uma dívida enorme”. Walter não desejava arriscar partir deixando sua família endividada.

A
“A série registra o declínio gelado de Walter ao mundo de assassinatos na fronteira, cartéis de drogas, lavagem de dinheiro e desequilíbrio faustiano.”

Walter participa de uma apreensão policial com seu cunhado, Hank, que trabalha na DEA, que é o Departamento de Narcóticos, e reencontra um jovem para quem deu aula há alguns anos, Jesse Pinkman. Jesse fabrica, com um sócio, metanfetamina, e a vende para um traficante. Walter percebe que esse é um modo aparentemente fácil de ganhar dinheiro e, quando o parceiro de Jesse é preso, se oferece para tomar o lugar dele.

Walter acaba fazendo uma grande dupla com Jesse (o ator americano Aaron Paul em uma atuação ótima), seu jovem aprendiz, a quem ele manipula, ataca e quase mata. Jesse era um dos personagens mais divertidos durante as primeiras temporadas. Lá pela terceira temporada, no entanto, (SPOILERS) Jesse é obrigado a romper com seu código de moral e matar um homem. A partir de então, fica traumatizado e deixa de ser tão engraçado. (Abaixo, uma compilação de seus momentos hilários.)

Eu não tentaria, de modo algum, justificar as ações – quase todas bastante reprováveis – de Walter, nem as escolhas que o personagem toma. No início do seriado, eu simpatizava com ele. Era um pai e marido amoroso, preocupado com o futuro da família e desejando deixar a mulher e o filho em uma situação estável antes de morrer. Mas, no decorrer do tempo, se torna cada vez mais difícil manter essa simpatia. Quando terminei a primeira parte da quinta e última temporada (a segunda parte começará na metade desse ano), ela já estava quase escassa.

Max Rivin-Nadler justifica o título de seu artigo a partir de uma cena da terceira temporada. Em um flashback, vemos Walter e Skyler, ela grávida do primeiro filho, andando por uma casa que pretendem comprar (a casa na qual vivem até o presente momento e que nós, espectadores, conhecemos bem). Walter comenta da falta de espaço para os muitos filhos que pretende ter. Na cena, ele é um químico de trinta e poucos anos, no começo dos anos 90. “O único caminho é subir”, ele diz para a esposa. “Essa cena é, talvez, a mais cruel da série”, disse Max. “Registra o declínio gelado de Walter rumo ao mundo de assassinatos na fronteira, cartéis de drogas, lavagem de dinheiro e desequilíbrio faustiano, tocando no mais frágil e desesperado ponto do enorme e seco sudoeste americano.”

Breaking Bad é mais que uma série. É a vida como ela é num país que foi se tornando o avesso do sonho que foi tão bem vendido por tanto tempo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!