A marcha das tiazinhas: o DCM no ato contra Dilma na Paulista

marcha1

 

Na página do Facebook do Revoltados Online (!) que convocava para a manifestação de sábado estava escrito que na primeira edição haviam comparecido 10 mil pessoas! Que na segunda foram 50 mil!! E que neste sábado (29) seriam 500 mil!!!

Com muito boa vontade dá para chutar que eram mil. Um mil e quinhentos talvez.  Segundo a PM, 600. Concentrados no vão do MASP, repetiram o roteiro de sempre: cantaram o hino nacional (ali e depois mais um par de vezes), rezaram a ave-maria, pediram ‘fora PT’, ordenaram ‘Lula cachaceiro, devolve meu dinheiro’.

A faixa que puxaria a procissão continha os temas ‘não ao Marco Civil’, ‘não às cotas raciais’, ‘não à reforma política’, ‘liberdade de imprensa’. As cartolinas escritas à mão pediam ‘fora Dilma’, ‘impeachment já’, ‘façam o diabo com Cuba, não com o Brasil’.

Se na manifestação anterior apenas um décimo da quantidade inicial conseguiu chegar à praça da Sé, dessa vez o percurso foi adaptado e reduzido ao máximo. Muito em razão também da faixa etária daqueles manifestantes, foi feito um zerinho na Paulista.

Saindo do MASP, fizeram o retorno na Praça do Ciclista e, na outra ponta, na avenida Brigadeiro. Circuito típico de fórmula Indy, na velocidade de Rubinho Barrichelo. Para senhoras, senhores e alguns cachorrinhos já está bom.

No início, Lobão falou. Novamente criticou a presença dos manifestantes que pediam intervenção militar e chegou a pedir auxílio da PM para a retirada do que classificou de “alienígenas”. No microfone os discursantes se revezavam. “Dizem que somos coxinhas. Se ser coxinha é trabalhar duro, pagar altos impostos, então somos coxinhas sim”.

Os organizadores fizeram questão de parar alguns minutos defronte ao prédio em que há escritórios da Petrobrás para mais discursos sobre a roubalheira. Alguém sobre o caminhão de som lembrou que estavam em frente também a um prédio ‘símbolo da mídia comprada pelo governo’. Era o da Gazeta. Estudantes de jornalismo da Casper Líbero que estavam sentadas na escadaria caíram na risada.

Ao final, um advogado explicou quais seriam os próximos passos. “O primeiro é a petição para o impeachment. Mas para isso de fato acontecer é muito importante o segundo passo ser iniciado de imediato: o abaixo-assinado. O terceiro passo é o mais importante de todos, alertou o advogado: o povo precisa estar na rua.”

Ou seja, a primeira etapa deveria ocorrer depois da segunda e, a terceira… bem, a terceira etapa já estava acontecendo naquele momento antes das duas primeiras. Entendeu? Então… melhor ir ao cinema, não é mesmo?

 

marcha3

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!