A piada mortal

A tragédia da enfermeira inglesa que atendeu um trote e a obsessão pela família real

Os radialistas Mel Greig e Michael Christian

— Alô. Posso falar com Kate, a minha neta?

— Ah, sim. Espere um pouco, madame.

A ligação, feita às 5h30 de quarta, foi atendida por Jacintha Saldanha, que transferiu para a enfermeira responsável por Kate Middleton, mulher do príncipe William. Kate está grávida e, por causa de enjoos, internada no hospital King Edward VII. A enfermeira deu detalhes sobre o estado de saúde de Kate para sua avó, a rainha Elizabeth, que estava acompanhada de seu filho, o príncipe Charles.

Ocorre que não era ninguém da família real, mas dois DJs australianos que fazem um programa especializado em trotes. Imediatamente, a história obteve uma repercussão enorme no Reino Unido e alguns outros países, para júbilo dos radialistas, que haviam “furado” o cerco ao casal.

Jacintha

Mas não de Jacintha. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, a alguns metros do hospital, com sinais de que se suicidou. A Scotland Yard está investigando o caso, tratando-o como “sem explicação”. Para o secretário geral do Colégio Real de Enfermaria, “é muito triste que um erro humano, causado por uma piada cruel, lenha levado à morte uma enfermeira dedicada”.

Os apresentadores Mel Greig e Michael Christian, da rádio 2Day FM, disseram mais tarde que aquele foi o trote mais fácil jamais realizado, apesar de seu sotaque britânico “terrível”. Estavam comemorando o fato de terem virado notícia, até ser tragados pela comoção. Ambos desativaram suas contas no Twitter depois de pesadamente condenados pela “brincadeira”. Acabaram soltando um comunicado oficial: “Ficamos muito surpresos que nossa ligação tenha sido atendida. Achamos que ela não iria adiante assim que ouvissem nosso sotaque. Estamos muito sentidos se causamos qualquer problema”.

Kate Middleton

Os motivos de Jacintha permanecerão, provavelmente, um mistério. (Parte pode ser explicada pela obsessão doentia dos ingleses por qualquer coisa que venha da família real. É um fetiche nacional. Batalhões de repórteres estão acampados na frente do hospital, atrás de qualquer fofoca. O escritor Christopher Hitchens, britânico-americano, antimonarquista, fez uma recomendação a Kate Middleton num artigo, um tempo atrás: “Corra, Kate! Faça um favor a si mesma e salve o que você puder”. Tarde demais.)

Trotes são, provavelmente, a maneira mais primitiva e estúpida de fazer alguém de bobo. A 2Day já estava pagando multa por violar o código de regulação da Austrália. A primeira reprimenda veio depois que uma menina de 14 anos, posta num detetor de mentiras, confessou no ar ter sido estuprada. A mãe, que estava com a filha no estúdio, perguntou se ela já tinha feito sexo. “Eu já contei essa história… e não me olhe assim porque ela não é engraçada”. Ela continuou, depois: “Ok, eu fui estuprada aos 12 anos”.

O grupo proprietário da emissora declarou que estava profundamente chocado com as notícias em torno da morte de Jacintha Saldanha e que os apresentadores “não retornarão ao rádio até segunda ordem, em respeito ao que só pode ser descrito como uma tragédia”.

Eis o trote:

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!