A posse segundo as estilistas Míriam Leitão e Cora Ronai

O abraço
O abraço

O médium Merval Pereira intuiu, há poucos dias, que Dilma chorou. Freud baixou em Merval e comunicou que se tratava de depressão.

Dilma, de fato, tinha todos os motivos para chorar. O maior deles é que ela acabou de se reeleger presidente da República, com 54 milhões de votos.

À depressão de Dilma opõe-se o entusiasmo frenético que tomou conta de Aécio Neves depois de perder o Brasil e Minas.

Não bastassem tais derrotas, a alegria de Aécio ganhou um novo patamar depois que a revista Veja o sagrou o pior senador da República, com nota zero. “Você só não pode mascarar, Aécio”, aconselhou-o o tutor FHC.

Nosso médium MP haverá de trazer novidades sobre as lágrimas de Dilma depois que duas consagradas estilistas internacionais, Míriam Leitão e Cora Ronay, criticaram a roupa e o andar de Dilma.

Uma palavra de Míriam ou de Cora, como sabe o universo da moda, eleva ou arrasa qualquer mulher.

E ambas reprovaram a elegância, ou falta de elegância, de Dilma.

Correm rumores de que Dilma soube da reprovação em plena cerimônia de posse. Fontes próximas do DCM afirmam que no abraço que Dilma deu em Lula ela chegou a pedir que ele a substituísse até 2018.

Era o tempo, ponderou ela, mínimo para ela se recuperar mentalmente dos comentários das grandes damas da moda.

Lula, segundo essa mesma fonte, pediu alguns dias para refletir. Quer antes ouvir a opinião jurídica do mestre Gilmar Mendes.

Foi nesse quadro de tensão extrema que a especialista em fitness da Globonews, Cristiana Lobo, detectou um claro cansaço em Dilma, mesmo depois de férias dignas de Aécio numa praia baiana.

Não surpreende, diante de tal quadro, que dois críticos de cinema do UOL, Fernando Rodrigues e Josias de Souza, tenham achado “sem graça” o espetáculo da posse.

Caso fosse trocado o ator principal, como eles bem notaram, o filme seria outro e bem melhor. Aécio, como protagonista, salvaria o filme, a pátria, a Folha, o UOL – e o emprego de ambos.

É sabido o rigor dos dois críticos. Eles simplesmente destruíram, no passado, a peça Rancor, de Otávio Frias II, imperador da Barão de Limeira.

Fontes íntimas do Planalto dizem que a amargura de Dilma com as observações das deusas da moda se multiplicou quando ela soube que ambas louvaram o ar hipster de Aécio 2015, agora com barba por fazer.

A nação entre no Ano Novo incerta sobre quem a presidirá, uma vez que Lula pediu dias para refletir sobre o pedido de substituição feito por Dilma, mas com a certeza do imenso privilégio que é ter árbitros de moda como Míriam Leitão e Cora Ronay, para não falar em críticos de arte como Fernando Rodrigues e Josias de Souza, sem esquecer a especialista em fitness Cristiana Lobo e nem, claro, o médium Merval Pereira.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!