A putrefação de Bolsonaro não pode apodrecer a democracia. Por Fernando Brito

O presidente Jair Bolsonaro caminha em hospital em São Paulo, onde está internado Foto: Reprodução/Twitter

Originalmente publicado em TIJOLAÇO

Por Fernando Brito

Nada mais metafórico sobre a situação do país que a obstrução intestinal de Jair Bolsonaro.

Como ela, não é gravíssima, embora seja séria e pode ser que não se recomende intervenção cirúrgica, mas controle terapêutico severo e isolamento, prudente, do paciente.

Algo bem diferente da encenação hospitalar que estamos observando.

É preciso evitar, tanto quanto possível, que a situação inflamatória evolua para um estado infeccioso e que, daí, comprometa todo o organismo institucional, enquanto se aguarda a ocasião de, pela via eleitoral, remover-se a pústula que envenena e contamina o país.

Enquanto isso, mister ir abrindo as entranhas pútridas que, todos os dias, vão se evidenciando.

Sempre sem perder de vista que todos são deteriorações provocadas pelo mesmo agente etiológico: a incapacidade da elite brasileira de conviver com um corpo nacional sadio, harmônico e socialmente permeável.

Ao contrário, sempre pensam em torniquetes, sangrias e amputações de partes indesejáveis do que é, inevitavelmente, é o corpo da Nação.

Estão apavorados com o personagem que para isso criaram, mas não é ele o câncer, apenas a metástase da doença golpista que por anos grassou entre nós, do mal da inaceitação de que este é um país de mestiços, de uma gente que mais que na cor da pele, se miscigena na pobreza, na carência e na ‘sonhopenia”, a baixa ou inexistente capacidade de aspirar a uma vida menos dolorosa para si e para seus filhos.

Sim, apenas isso, apenas deixarmos de ser um país que é forçado a crer que o Brasil é esta m…mesmo.

Somos um país que precisa recuperar a saúde, tal como a define a Organização Mundial da Saúde, “como um estado de completo bem-estar”.

Temos de sobreviver, minimizando tanto quanto possível os danos inevitáveis, até podermos extirpar a obstrução intestinal do país e deixar que se excrete o ódio, a divisão, a estupidez, o preconceito, a podridão que se acumularam em nossas entranhas.

As instituições, sistema imunológico da democracia, seguem fracas para eliminar esta doença.

Será necessário o bisturi do voto popular e precisamos manter o país estável o suficiente para que o corte profundo que ele fará – e que é necessário – tenha sucesso.

Mais que eliminar Bolsonaro, é preciso extirpar a degeneração da qual é resultado.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!