A saída de Moro marca uma nova fase em Brasília: o governo Bolsonaro começa agora. Por Kiko Nogueira

Bolsonaro e Jorge Oliveira, substituto de Moro: o governo começa agora

O governo Bolsonaro está começando agora.

Calma, que eu explico.

A demissão de Sergio Moro após um longo processo de fritura sinaliza um novo tempo no Planalto.

Chega de “critérios técnicos”. Chega do verniz civilizatório do ex-juiz da Lava Jato ou de Mandetta e os protocolos da OMS.

É hora do comprometimento com o ideário bolso-olavista, com o projeto.

A palavra chave é lealdade. Não há espaço para relativização, dúvidas ou bom senso.

É profissão de fé. Ficam os ministros militares, os convertidos — Weintraub, Damares, Ernesto Araújo — e os irrelevantes — Nelson Teich, Teresa Cristina.

Não há mais espaço para quem faz sombra para o chefe.

O próximo a cair é Paulo Guedes, humilhado quando o general Braga Netto apresentou um plano econômico pretensioso e “keynesiano” sem ninguém do ministério da Economia.

A escolha de Alexandre Ramagem, amigo de Carlos, para o posto mais alto da PF e de Jorge Oliveira para ministro da Justiça obedece a esses novos ditames.

Oliveira foi assessor jurídico de Jair como deputado federal e de Eduardo, de quem é padrinho de casamento.

É próximo da família há 15 anos e tem demonstrado fidelidade canina.

Com apenas 44 anos, atuou na Polícia Militar do Distrito Federal por duas décadas, de onde saiu major.

É admirador de Olavo de Carvalho. Fará o que lhe for pedido pelos Bolsonaros e entregará o que estiver ao seu alcance.

Uma fonte que o conhece contou ao DCM que a nova fase do governo foi desenhada em fevereiro numa reunião com Olavo na Virgínia, nos EUA, onde o sujeito mora.

“Olavo não manda fazer nada. Ele traça as linhas gerais”, diz.

Entre essas diretrizes, entra também a relação com o centrão na Câmara. As negociações devem ser encaradas pela tropa com naturalidade e pragmatismo.

A bandeira contra a corrupção é coisa do passado.

“Jair é um cara que veio do baixo clero. Portanto, lidar com esses deputados será fácil”, afirma o interlocutor do DCM.

A ideia de prestigiar o segundo escalão será levada à PF, comenta. “Há uma disputa antiga entre agentes e delegados. O objetivo é fortalecer os agentes”.

“Um príncipe não deve importar-se por ser considerado cruel se isso for necessário para manter os seus súditos unidos e com fé”, escreveu Maquiavel.

É o que veremos daqui em diante: o bolsonarismo explícito e desavergonhado no poder. Como detê-lo é a tarefa dos democratas.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!