A seleção pode ser mais que um bando dependente de um menino e liderado por um anão? Por Kiko Nogueira

Thiago Silva contra a Venezuela
Thiago Silva contra a Venezuela

 

Esta seleção brasileira é a confirmação de que Felipão não teve culpa no 7 a 1. O gaúcho desequilibrado foi substituído por outro gaúcho desequilibrado, resultando num time desequilibrado. Especialmente do ponto de vista emocional.

A falta de caráter fica explícita no caso Neymar.

Como é que Thiago Silva pode achar razoável fazer um belo gol na Venezuela e, na comemoração, apontar para o camisa 10, que via a partida num camarote, como se estivesse prestando tributo a um santo?

Por que ele não correu para a própria consagração e de seus colegas em campo? Ao final, Thiago deu uma entrevista: “Jogamos para ele. O coração dele deve estar alegre”. Faz sentido? Que tal jogar pelo país ou pela mãe?

Que tipo de dependência psicológica é essa e por que o técnico não se manifesta?

O Brasil é maníaco depressivo. Ou somos os melhores do universo ou um lixo. A atitude com relação a um Neymar é detalhe a mais nesse pântano.

É impensável que algo nesse sentido ocorra na Alemanha com, digamos, Schweinsteiger. Mas vamos pegar um selecionado com uma grande estrela: a Argentina não tem com Messi esse grau de sujeição.

Alguma coisa se perdeu. Quando Pelé se machucou na segundo partida na Copa do Mundo do Chile, em 1962, ele já era Pelé. Amarildo entrou em seu lugar. Garrincha comandou a campanha até levantar a taça.

É certo que Garrincha tinha a seu lado Nilton Santos, Didi, Zito. Mas, ainda que não houvesse ninguém, é difícil imaginar uma patetice desse naipe daquele grupo.

É um erro que já deveria ter sido mitigado. No Mundial de 2014, houve as cenas de desespero de Fred (o cone) ao saber que Neymar não iria mais disputar o torneio. Ele olhava para os lados, passava a mão no cabelo, os olhos exprimindo o horror.

Todos os jogadores demonstram diante de Neymar uma sabujice clínica. Quando o rapaz de 23 anos perde a cabeça, xinga adversários, empurra o árbitro, soca a bola — quem vai ter a coragem de falar que ele precisa se controlar? Ninguém.

A vitória sobre a Venezuela pode ser uma chance de inverter essa crença, uma prova de que dá para ganhar sem ele — quando menos porque não há nada remotamente parecido com a Alemanha do outro lado.

O Brasil pode mostrar que é mais do que um bando de meninos pendurados num outro menino mais talentoso, liderados por um anão. Mas vai precisar da vontade das crianças.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!