A tropicalização da “Teoria do Louco”, de Nixon e Trump, por Bolsonaro. Por Kiko Nogueira

A “Teoria do Louco” dos EUA, aplicada no Brasil, vira “Teoria da Besta”

 

O diplomata Ernesto Fraga Araújo, novo chanceler anunciado por Jair Bolsonaro, compõe harmoniosamente com o restante do time da República das Caneladas.

Seguidor de Olavo de Carvalho, por este indicado ao cargo, Ernesto é dono de um blog chamado “Metapolítica 17: contra o globalismo”, em que expõe suas ideias.

Basicamente, são teorias da conspiração de extrema direita que não juntam lé com cré, alicerçadas nos ataques contra os “globalistas”, o bicho papão de todo idiota reacionário que se considera sabedor dos grandes mecanismos que movem o mundo.

Um aperitivo do pensamento ernestino:

“A esquerda se define, hoje, como a corrente política que quer fazer tudo para que as pessoas não nasçam. Aborto, criminalização do desejo do homem pela mulher, contestação do ‘patriarcado’ e da diferenciação entre os sexos, desmerecimento da reprodução, sexualização das crianças e dessexualização ou androginização dos adultos, demonização de qualquer defesa da família ou do direito à vida do feto como ‘fundamentalismo religioso’, desvalorização da capacidade gestativa da mulher, tudo isso aponta num único sentido: não nascer.”

“O climatismo é basicamente uma tática globalista de instilar o medo para obter mais poder. O climatismo diz: “Você aí, você vai destruir o planeta. Sua única opção é me entregar tudo, me entregar a condução de sua vida e do seu pensamento, sua liberdade e seus direitos indivuduais. Eu direi se você pode andar de carro, se você pode acender a luz, se você pode ter filhos, em quem você pode votar, o que pode ser ensinado nas escolas. Somente assim salvaremos o planeta. Se você vier com questionamentos, com dados diferentes dos dados oficiais que eu controlo, eu te chamarei de climate denier e te jogarei na masmorra intelectual. Valeu?”

Ele garante que “o movimento popular por Bolsonaro não se nutre de ódio, mas de amor e de esperança”.

Num piro bajulador sobre Donald Trump, afirma que “somente um Deus poderia ainda salvar o Ocidente, um Deus operando pela nação —inclusive e talvez principalmente a nação americana”.

Trump é o profeta do “anticosmopolitismo radical”, uma Maomé de cabelo cor de laranja.

Eliane Cantanhêde, mestra absoluta na arte de passar pano nos desastres de seus amigos no poder, alega que o Arnesto “dá revestimento teórico às falas (sic) do futuro presidente”.

A nomeação ocorre na mesma semana em que Cuba mandou que os profissionais do Mais Médicos se retirassem, na esteira de uma chantagem estúpida que Bolsonaro tentou transformar em preocupação com “direitos humanos”.

Há método nessa loucura?

Um amigo do DCM com experiência em relações internacionais acredita que Bolsonaro está se utilizando, talvez sem querer, da “Teoria do Louco”.

A intenção é o sujeito se apresentar como imprevisível e dado a rompantes. Isso intimidaria o “inimigo”, que recuaria já que o cidadão é insano.

A “Teoria do Louco” prevê que o comportamento supostamente irracional seja deliberado, um fingimento, mas crível pelo outro lado. O “inimigo” acha que está lidando com um indivíduo mentalmente instável.

Em 1517, Maquiavel escreveu que às vezes é “muito sábio simular loucura”. Nixon deu corpo à coisa. Ele explicou a estratégia a seu chefe de gabinete, H. R. Haldeman, nos anos 70.

“Quero que os norte vietnamitas acreditem que eu chegaria ao ponto de fazer qualquer coisa para acabar com a guerra”, disse.

“Iremos somente dizer algumas palavras, ‘pelo amor de Deus, vocês sabem que Nixon está obcecado com o comunismo. Não poderemos contê-lo quando ficar com raiva e ele tem a mão sobre o botão nuclear'”.

Especulou-se que Donald Trump seguiu essa trilha em suas escaramuças com a Coreia do Norte.

“Temos que ser imprevisíveis”, respondeu Trump ao Washington Post quando lhe foi perguntado sobre o que pretendia fazer em relação à expansão chinesa. “Somos muito previsíveis, e o previsível é ruim.”

Os EUA foram escorraçados do Vietnã. Trump trata a China com deferência. E eles têm 8 metros de altura.

Bolsonaro é um anão. A Teoria do Louco pressupõe que quem a pratica tem noção do que está fazendo. 

No caso de Bolsonaro, é apenas truculência e imbecilidade sem plano B.

Ele expulsa os “comunistas” cubanos, mas não sabe o que vai pôr no lugar.

A tropicalização bolsonarista desse estratagema dará em algo de que os historiadores falarão muito num futuro próximo: a “Teoria da Besta”.

O novo chanceler Ernesto Araújo e seu deus Donald Trump

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!