A vereadora socialite que fez um jantar em homenagem ao golpe de 64. Por Aline Torres

Mônica Leal em ação
Mônica Leal em ação


Um movimento desconexo, distante até daqueles que marcham pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, ganhou força nos últimos tempos. Ganhou grupos nas redes sociais. E adeptos públicos, como a vereadora porto-alegrense Mônica Leal (PP), que participou na quinta-feira, dia 31, de um jantar em comemoração aos 52 anos do golpe militar de 1964.

O jornal Sul21 publicou o convite de Mônica na íntegra. “No dia 31 de março será realizado, às 20h, um jantar comemorativo do Movimento Cívico Militar de Março de 1964. Os participantes são representantes da sociedade gaúcha, militares da reserva e civis. O 31 de março de 1964 foi um movimento cívico militar na história do Brasil onde a sociedade reafirmou seus valores de liberdade, independência e progresso”.

Por telefone, a vereadora explicou que acredita que o aniversário do golpe deve ser comemorado. “O movimento cívico de 31 de março defendeu a nação brasileira. Foi um movimento democrático, que impediu a implantação do comunismo, combateu a ordem subversiva e a corrupção. Ah, e é importante destacar, que teve o apoio da população brasileira na Marcha da Família com Deus pela Liberdade”.

Mônica é filha do coronel do Exército Pedro Américo Leal, ex-deputado estadual e ex-vereador. Sua vida política começou como supervisora no gabinete do pai na Câmara Municipal de Porto Alegre, em 1993, e após 11 anos ela virou sua herdeira política.

É autora do projeto de lei que impede homenagens a personagens históricos que considera subversivos, como Lamarca, Luiz Carlos Prestes e Carlos Marighella, assim como, é contrária a alteração do nome da antiga Avenida Castelo Branco para Avenida da Legalidade e Democracia, aprovada pela Câmara em 2014. 

Mônica também tentou retirar do Memorial do Rio Grande Sul o acervo Luta Contra a Ditadura e se mostra insatisfeita com a apuração feita pela Comissão da Verdade, que investigou os crimes militares.

Seu pai, Pedro Américo era o porta-voz do regime militar no Rio Grande do Sul. Costumava afirmar nos jornais e redes de televisão que os militares não praticavam torturas e que faziam milagres para salvar o país.

Mônica perpetua a mesma crença e comemorou com seus pares, cerca de 150 pessoas, na Parrilla del Sur, no bairro Petrópolis, em Porto Alegre.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!