A vitimização de Weintraub, o ministro que exige respeito sem se dar ao respeito. Por Kiko Nogueira

O ministro da Educação Abraham Weintraub esteve no meio de um bate boca em Alter do Chão, no Pará, onde passava férias com a família.

Numa praça, foi reconhecido.

Levaram até sua mesa uma kafta, homenagem ao famoso escritor tcheco de origem judaica que ele nunca leu e cujo nome trocou pelo da iguaria árabe.

Uma testemunha descreveu assim a cena no Globo:

Um turista que pediu para não se identificar contou que estava sentado bem próximo ao ministro quando a confusão aconteceu.

Segundo ele, ambos estavam no restaurante chamado Do Italiano, um dos principais do local, na praça principal de Alter do Chão.

O rapaz contou que os microfones estavam sendo utilizados por um casal de cantores antes da confusão. Ainda segundo o turista, o ministro levantou a filha, assustada, enquanto discutia com as pessoas ao redor.

— Ele ficou chamando as pessoas de petista e falando que estavam atrapalhando o jantar de família dele.

Num dos vídeos que circularam, é possível ouvi-lo dizendo “quem roubou o Brasil foi Lula” e gritando, descontrolado.

“Essa terra é minha”, berra, apontando para o próprio peito.

“Eu sou descendente de índio e de negro, eu sou mais brasileiro que qualquer um aqui”.

No Twitter, Weintraub fez sua vitimização.

Acusou “os mesmos que se dizem defender os direitos humanos”.

“Covardes!!! Chê matou um menino de 9 anos que ousou interceder pelo pai. Lembrei do episódio”, escreveu.

Segundo ele, suas crianças foram expostas.

Weintraub é o sujeito que zomba de estuantes e parabeniza policiais por agredi-los, faz piada com guarda chuva e chocolate, compara adversários a drogas, fala em “vagabundos da UNE” etc etc.

É um Carluxo de calças. O tratamento que recebe é o que dispensa aos “inimigos”. 

Quem está na chuva é para se molhar, avisava Vicente Matheus.

A maneira de se obter respeito é se dar ao respeito.

Um ministro que se porta como um moleque não pode exigir ser tratado como um adulto. 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!