Acusado de tentar mudar a bula da cloroquina, Carluxo vai repetir Pazuello e fugir da CPI. Por José Cássio

Carluxo é qualquer nota

A estreia da CPI do Genocídio no Senado não deixou dúvidas sobre os desmandos cometidos por Bolsonaro na gestão da pandemia. A fuga de Pazuello é só um indício do amadorismo do governo para enfrentar as investigações.

Entre outras coisas, descobriu-se que Carlos Bolsonaro organizou um encontro com médicos da ‘equipe paralela’ do presidente para forçar o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a alterar a bula da cloroquinha, colocando ali que se tratava de um medicamento adequado para o tratamento precoce da covid.

Por motivos óbvios a ideia não andou. Seria um crime submeter a Anvisa a uma farsa sem pé nem cabeça que só encontra respaldo entre negacionistas como Bolsonaro e seu séquito de seguidores.

Carluxo será convocado para depor e explicar a história.

“O que ele faz nas reuniões ministeriais?’, perguntou Guilherme Boulos. ‘Será que também vai fugir se a CPI pedir explicação?’

Provavelmente, sim.

Qualquer um sabe que o filho desajustado do presidente não tem condições mentais tampouco psicológicas para ser interrogado numa CPI. É um doido varrido, como já mostramos aqui.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!