Aécio não ganhou os votos de Marina, mas herdou o coitadismo

Eles
Eles

 

O apoio tardio de Marina Silva a Aécio Neves, depois de uma negociação interminável, não rendeu votos ao tucano, mas parece ter provocado uma transferência sensível de humor.

Aécio está incorporando o coitadismo de Marina.

Depois do número do dedo em riste (“leviana!”) no debate com Dilma, o candidato do PSDB reclamou que é “vítima de ódio e rancor”.

Estão sendo ditas “mentiras, infâmias e calúnias” sobre ele. É uma campanha desesperada, “que não consegue olhar para o futuro. Ela olha para o passado”.

Para Aécio, esse é “o modus operandi do PT. Minas Gerais é o estado que tem o maior número de municípios em todo Brasil e temos a melhor educação fundamental do Brasil”.

A vitimização é um jogo de cena que foi bastante usado por Marina no primeiro turno. Ela ainda tinha um agravante passivo agressivo: ao mesmo tempo em que se queixava, batia sem dó. O ápice foi quando declarou que passou fome.

No caso de Aécio essa tática é, sob todos os aspectos, uma piada. Em seu mundo ideal — a Minas Gerais de suas duas gestões, digamos –, ele solaria à vontade, sem ser questionado por ninguém a respeito de nada.

Quando convocado a se explicar a respeito de questões fundamentais para a sociedade, e que se referem a sua vida pública, tenta transformar tudo num drama.

Na Band, foi confrontado com seus fantasmas. Perdeu as estribeiras ao falar do aeroporto do tio. E mentiu. Mentiu que venceu todas as eleições em seu estado, mentiu sobre o aumento de homicídios por lá, mentiu quando afirmou nunca ter criticado o Mais Médicos…

Embora não colasse, Marina ainda tinha, de certo modo, uma adequação ao papel de coitada. O physique du rôle. Ex-seringueira, cinco vezes malária, magrinha, analfabeta até os 16 anos etc etc.

Aécio, pelo contrário, desfila todo aquele aplomb de moço bem criado, o terno sob medida, o botox, a pele bronzeada, o orgulho viril meritocrata — além da ironia profissional exibida ao longo dos últimos meses. Não cabe, de uma hora para outra, virar um mártir.

Se ele é vítima, talvez seja da própria Marina. Segundo o Datafolha, 23% dos eleitores responderam que o apoio dela faria com que eles não votassem no candidato indicado.

Essa estratégia não funcionou com a ex-candidata do PSB e não vai funcionar com Aécio. Mas, se ele quiser insistir, pode pedir conselhos a sua nova colega de palanque. O xalezinho sobre os ombros cairia bem.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!