Agatha Christie sobre os segredos e os encantos dos romances policiais. Por Camila Nogueira

Christie, a Duquesa da Morte
Christie, a Duquesa da Morte

Em nossa nova Conversa com Escritores Mortos, entrevistamos a célebre romancista policial inglesa Agatha Christie. Tiramos os trechos abaixo de diversos de seus livros, entre os quais A Casa Torta, Punição para a Inocência Assassinato na Casa do Pastor.

Mrs. Christie, o que a levou a escrever romances policiais?

Dizem que todo mundo ama o amor. Mas transporte esse ditado aos assassinatos e então terá uma verdade incontestável. Ninguém deixa de se interessar por um assassinato.

Como identificar um bom detetive?

Um bom detetive prioriza a prudência e o autocontrole em detrimento da impulsividade e a energia.

Isso não deixa de fazer sentido.

É necessário que se acomode em uma poltrona confortável, tome um chocolate quente e permita que os eventos sigam seu curso natural. Exercitando suas células cinzentas nesse meio tempo, é claro.

Existe alguma maneira de identificar um assassino?

Não creio que existe um sinal, um indício universal, que ajude a reconhecer um assassino no meio de um grupo de pessoas aparentemente normais e amáveis. Se é que existe uma espécie de denominador comum, me sinto inclinada a dizer que é a vaidade. Quase todos os assassinos são vaidosos. É a vaidade que os leva a fazer o estrago, nove entre dez vezes. Podem até ter medo de serem pegos, mas não conseguem evitar se exibir e se gabar, e de modo geral têm certeza que foram espertos demais para serem descobertos. A tem outra coisa: assassinos querem falar. Cometer um assassinato coloca o autor do crime em uma situação muito solitária. Você deseja contar a alguém tudo o que aconteceu, e no entanto não pode. E isso faz com que você queira contar ainda mais. E, se você não tem meios de falar como fez isso, pode pelo menos falar sobre o assassinato em si. Pode discuti-lo, criar teorias e analisá-lo.

Acha que há algum padrão comportamental entre os seres humanos?

A verdade é que somos todos mundo parecidos. A maioria das pessoas não é boa nem má – são apenas tolas. E, é claro, devemos agir com elas de acordo com suas personalidades.

Como assim?

Em cada dez pessoas que encontramos, pelo menos nove poderiam ser levadas a agir da maneira que quisermos pela aplicação do estímulo correto. Existem os homens tirânicos; grite mais alto do que eles e eles obedecerão. Há os homens contraditórios; intimide-os na direção oposta àquela que quer que sigam. E assim por diante.

Algo a acrescentar, Mrs. Christie?

Em um assassinato, o que importa não é o culpado, e sim o inocente. Ele não afeta apenas o assassino e a vítima, afeta também os inocentes.

A senhora poderia explicar um pouco melhor?

Pensemos no caso Bravo, que ocorreu há cerca de cem anos. Todos eram suspeitos: a sua esposa, a governanta e o médico da família, e até o próprio Charles Bravo – que poderia ter cometido suicídio. Várias teorias são plausíveis, mas o fato é que agora jamais iremos saber o que aconteceu. O que se sabe é que sua mulher, Florence Bravo, foi abandonada pela família e morreu na sarjeta; a sra. Cox, condenada ao ostracismo, jamais conseguiu outro emprego; e o dr. Gully foi arruinado social e profissionalmente. Um deles cometera um assassinato e escapara da forca, mas os outros eram inocentes e foram condenados.

Curioso.

O mal nunca passe impune, mas nem sempre essa punição é evidente.

Como cometer o crime perfeito?

Leia Otelo e se inspire em Iago, que cometeu por inveja um dos crimes mais engenhosos de toda a literatura, profissionalmente falando. Iago conseguiu que os outros realizassem tudo por ele. Imagine um criminoso de hoje que ninguém jamais poderia prender porque ele em si nunca chegou a fazer nada.

Qual é a sua opinião sobre assassinatos?

Eu tenho uma atitude burguesa em relação a assassinatos: eu os desaprovo.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

COMPARTILHAR
Camila Nogueira
Aos 19 anos, Camila Nogueira estuda Letras na USP. Já aos 10 anos, constatou que seus maiores interesses na vida consistiam em sua família, em cerejas e em Machado de Assis. Em uma etapa posterior, adicionou à sua lista ópera italiana e artistas coreanos.