Ai, minha concessão…Globo recua e deixa porteiro na Lei de Segurança Nacional. Por Fernando Brito

Logotipo da Globo. Foto: Divulgação

Publicado no Tijolaço

A edição do Jornal Nacional de hoje é um dos mais simbólicos momentos de covardia da TV brasileira.

A Globo voltou atrás de tudo o que apontou ontem e encampou, sem questionar, a versão de que “o porteiro mentiu”, sem nenhum questionamento sobre esta versão, inclusive a da inacreditável história de que só hoje se fez a perícia dos áudios de ligações apreendidas no dia 5 de outubro.

O porteiro, até agora anônimo, vai ser processado, se aceito o pedido do procurador geral da República, Augusto Aras, com base na Lei de Segurança Nacional.

Ao dizer que o motorista do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes chegou à portaria do condomínio e disse que ia à “Casa 58”, onde morava Jair Bolsonaro, imputou ao Presidente “fato definido como crime ou fato ofensivo à [sua] reputação”.

Reputação de quem, àquela altura, nem presidente da República era.

Falta, até que se arranje um, motivo para que o porteiro criasse uma história que sabia que iria mexer com gente graudíssima e contra a qual sabia que havia a gravação de tudo o que se passara.

A história não faz sentido.

Hoje cedo, Ricardo Noblat, na Veja, escreveu que cabeças coroadas da República “concordaram que a TV Globo não levaria ao ar o que levou se não tivesse absolutamente segura da procedência das informações.”

A ameaça de cassação de sua concessão, afirmada explicitamente pelo presidente, “fez diferença”.

Afinal, o que é perder o respeito perto de perder uma rede de TV?

O império Marinho sai desmoralizado desta batalha de Itararé, que nem chegou a acontecer.

Bom para entender que, quando enfrentada, a Globo pode ser um tigre de papel.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!