“Ajuda humanitária” do Brasil à Venezuela enviada no “Dia D” cabe no lombo de um jegue

A imagem de uma das camionetes carregadas de “ajuda humanitária” do governo brasileiro à Venezuela diz tudo. 

No chamado ‘dia D’ da operação, o Brasil enviou apenas dois desses veículos. Dois.

No G1, a descrição do fiasco:

Os caminhões deixaram a capital de Roraima às 6h50 escoltados pela Polícia Rodoviária Federal e, pelas regras estabelecidas pelo governo brasileiro, a ajuda deve ser transportada por caminhões venezuelanos conduzidos por motoristas venezuelanos.

O primeiro deles chegou às 11h10 e já se posicionou na área que divide o Brasil da Venezuela. O segundo atrasou depois que teve o pneu furado no trajeto entre Boa Vista e Pacaraima, chegando às 12h30.

O chanceler Ernesto Araújo deu uma entrevista coletiva na sede da Polícia Federal, diz a Folha.

Declarou que não há uma “linha vermelha” para interromper a ação. “Só se o caminhão quebrar.”

Os caminhões trouxeram quatro kits emergenciais do Ministério da Saúde com medicamentos de baixa complexidade, arroz americano e leite made in Brazil.

Segundo o Itamaraty, essa mixaria daria para 6 mil pessoas por um mês. Então tá.

Como disse nosso leitor Edward Magro, para carregar isso “era só botar no lombo de um jeque e soltar o bicho. Não precisava ameaçar entrar em guerra”.

Justo.

Mas aí não seria o bolsonarismo, suas mentiras, seus vexames e suas mamadeiras de piroca.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!