Alexandre Baldy, mais um moralista sem moral da turma do Cunha que é desmascarado. Por Joaquim de Carvalho

Preso hoje no bojo de investigação que apura roubalheira de dinheiro público na Saúde, o ex-deputado federal Alexandre Baldy, secretário de João Doria, foi um dos parlamentares que votaram contra a corrupção de Dilma Rousseff.

Hoje, no apartamento de 40 milhões de reais onde Baldy mora, a polícia encontrou um cofre com dinheiro vivo.

Em abril de 2016, naquele show de horrores, com a bandeira de Goiás presa às costas e colar verde e amarelo, Sua Excelência, chamada por Eduardo Cunha, disse:

“Agradeço a Deus por ter oportunidade de ajudar o meu povo a limpar este país de mazelas, corrupção e malfeitos. Pela minha esposa, pelo meu filho e minha filha. Por toda minha família e por toda esta nação, pela minha cidade que me acolheu, Anápolis, Goiás e Brasil, o meu voto, presidente, é sim”.

Filho de procurador de Justiça, Baldy é, ostensivamente, um homem rico, mas, embora jovem, sempre teve atuação do setor público.

Hoje tem 40 anos e uma longa trajetória como político. Foi secretário da Indústria e Comércio do governo Marconi Perillo, que foi preso em 2018 sob acusação de receber propina de R$ 12 milhões da Odebrecht.

Depois do voto pelo impeachment de Dilma, ele se tornou ministro das Cidades, no governo de Michel Temer, outro que chegou a ser preso por corrupção.

Agora responde pela Secretaria de Transportes Metropolitanos no governo Doria, que tem sob seu controle o Metrô e a CPTM, empresas públicas já envolvidas em escândalos de corrupção para financiar o PSDB e também para enriquecer agentes públicos.

A pergunta é: Doria não tinha nenhum outro quadro para nomear em cargo tão importante do Estado?

O que faz de Baldy um político tão especial, com atuação eclética, que vai da saúde ao transporte público?

A investigação, se conduzida sem viés político, pode responder.

Doria decidiu manter o político preso como seu secretário e, em certo sentido, agora ele faz companhia a Gilberto Kassab, outro que foi denunciado por corrupção e se manteve como secretário de Doria, embora licenciado.

Doria se elegeu prefeito de São Paulo e depois governador com o discurso anticorrupção, mas, como todo político que ascendeu nestes anos mais recentes, a questão da moralidade pública é só um argumento retórico, usado para derrubar, em “nome de Deus, da nação e da família”, uma presidente sem nenhum mácula pessoal nessa lama.

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!