Alexis Tsipras é um traidor? Por Gilberto Maringoni

Captura de Tela 2015-07-16 às 11.58.07

Posso estar enganado, mas sigo achando profundamente errado se falar em traição por parte de Alexis Tsipras e do Syriza, mesmo diante da aprovação parlamentar – por larga maioria e com apoio da direita – do acordo firmado no final de semana entre a Grécia e a Comissão Europeia.

Não tenho todos os dados à disposição, mas me parece que Tsipras fez uma aposta e perdeu. A aposta é que haveria algum tipo de solidariedade internacional, após o referendo, o que lhe daria condições de enfrentar a maré montante que se armava contra o país.

Não houve.

A solidariedade internacional implica – neste caso – enfrentar o sistema financeiro internacional todo. No atacado.

Significa enfrentar o fato de os EUA terem uma enorme base aeronaval em Creta, na beira do Oriente Médio. É um complexo estratégico, através do qual se pode atingir em vinte minutos a Líbia, o Egito, a Síria e o Iraque.

Nem mesmo a Rússia ou a China aventuraram-se a tocar nesse vespeiro. Uma coisa é intervir na Ucrânia. Outra, bem diversa, é intervir na geopolítica europeia.

Alexis Tsipiras ficou só, o Syriza viu-se só e a Grécia colheu um isolamento assustador.

Frente à possibilidade de uma formidável fuga de capitais – diante da qual o governo grego nada pode fazer – da carência de papel moeda para fazer pagamentos e da quebradeira do sistema bancário nacional em três dias, o primeiro-ministro se viu sem cartas na manga. Não havia sequer como trucar.

É boa a situação?

Nada. É péssima. Péssima é a humilhação a que o país está sendo submetido.

A sessão do Parlamento grego foi deplorável, na noite de quarta (15). A direita, em bloco, votou pelo acordo.

A pergunta não é se o Tsipras traiu ou não. A pergunta é por que o isolamento foi tão grande.

Essa é a resposta a ser buscada.

Para que os arautos do bom-senso não venham com a velha história de que “There is no alternative” e que o ajuste é inescapável.

No prefácio de “Crítica da economia política”, há quase 160 anos, Marx escreveu uma de suas frases memoráveis: “A humanidade só se coloca problemas que ela pode resolver”.

Nenhum messianismo nisso.

O problema da Grécia pode ser resolvido.

Depende de luta política e força. Coisas muito, muito humanas.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!