Apesar de Trump, gigante chinesa Huawei se torna líder global em smartphones

Celulares da série P40 da Huawei. Foto: Divulgação

Publicado originalmente no site da RFI.

No topo da lista, apesar das pressões, a gigante chinesa das telecomunicações Huawei se tornou a maior vendedora mundial de smartphones no segundo trimestre de 2020, enquanto luta contra Washington para implementar globalmente sua tecnologia 5G.

Paradoxalmente, a nova pandemia de coronavírus ajudou a Huawei, penalizando ainda mais sua principal concorrente, a Samsung. Entre abril e junho, o grupo chinês vendeu 55,8 milhões de telefones (-5% em um ano) contra 53,7 milhões da Samsung (-30%). Como resultado, a empresa de Shenzhen destronou a sul-coreana Samsung para se tornar a líder mundial em vendas de smartphones no segundo trimestre, segundo dados compilados pela empresa de pesquisa Canalys.

“Este é um resultado notável que poucas pessoas teriam previsto há um ano”, disse Ben Stanton, analista da Canalys, entrevistado pela agência AFP. A Huawei aproveitou ao máximo a recuperação econômica na China para relançar sua atividade no campo dos smartphones ”, enquanto os principais mercados de sua concorrente Samsung (Brasil, Índia, Estados Unidos e Europa) continuam fortemente afetados pela pandemia.

A Huawei elogiou uma “resiliência excepcional nesses tempos difíceis”. Com menos de 1% de participação de mercado na China, a Samsung não conseguiu tirar proveito da recuperação da gigante asiática, onde estão presentes diversos concorrentes locais.

Se o desempenho da Huawei é tão notável, é porque a empresa chinesa se encontra no epicentro da rivalidade sino-americana, no contexto de uma guerra comercial e tecnológica e suspeitas de espionagem. As apostas são ainda maiores, uma vez que a Huawei é considerada líder mundial em 5G, um novo padrão de tecnologias móveis definido para revolucionar a Internet, e cuja implantação deve ser acelerada.

Suspeitando do grupo de conluio com Pequim e discutindo riscos em termos de segurança cibernética, Washington aumentou a pressão sobre seus aliados nos últimos meses para proibir equipamentos da Huawei no continente europeu ou americano.

Uma cultura corporativa sem transparência

No visor de um ano e meio do governo Trump, a Huawei está na lista de proibições norte-americana, para impedir que ela adquira tecnologias dos estados Unidos, essenciais para seus telefones. Privada do sistema operacional Android do Google, a empresa de Shenzhen é forçada a acelerar o desenvolvimento de seu próprio sistema, o HarmonyOS, lançado no ano passado.

Quanto aos chips, a Huawei está aumentando seus esforços para produzi-los através de sua subsidiária HiSilicon. A gigante chinesa de telecomunicações vem enfrentando crescente pressão na frente do 5G nos últimos tempos.

O passado militar do fundador da Huawei, Ren Zhengfei, sua participação no Partido Comunista Chinês e uma cultura corporativa longe de ser transparente alimentaram suspeitas sobre a influência do regime no grupo. Washington insiste que os serviços de inteligência chineses poderiam usar os equipamentos da Huawei para monitorar o tráfego de comunicações e dados de um país.

Difícil de permanecer no topo

Se a Huawei se defende, é porque o argumento norte-americano está começando a ser ouvido. Em nome da segurança, o Reino Unido anunciou, em meados de julho, sua decisão de eventualmente eliminar a rede 5G de todos os equipamentos produzidos pela Huawei.

A Austrália e o Japão optaram por proibir o equipamento da gigante chinesa em seu solo. Cingapura concede apenas um papel secundário para sua futura rede 5G, preferindo os OEMs Nokia e Ericsson. Na França, a Huawei não estará sujeita a uma proibição total. Mas os operadores que já usam a marca terão permissões operacionais limitadas no tempo.

Nesse contexto de crescente desconfiança, será “difícil” para a Huawei permanecer a número um no mercado de smartphones, disse outro analista da Canalys, Mo Jia. Segundo ele, certos mercados cruciais, principalmente a Europa, poderiam favorecer outras marcas para “reduzir os riscos”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!