Após desmentido de Daniela Lima sobre Carluxo, economista revela que ela se recusou a fazer o mesmo com ele

Atualizado em 30 de janeiro de 2024 às 11:40
Daniela Lima. Foto: Reprodução

POR JOSÉ LUÍS OREIRO, em seu blog 

Acabei de ver na Globonews um desmentido público da jornalista Daniela Lima da GloboNews sobre a noticia dada por ela ontem (29/01/2024) sobre o suposto encontro (hoje desmentido por ela) de um computador da Abin na casa de Carlos Bolsonaro. Ela de forma correta reconheceu o erro embora tenha atribuído o mesmo às suas fontes.

Pois bem, no primeiro semestre de 2018 essa mesma jornalista, que então trabalhava na Folha de S.Paulo, publicou na sua coluna dominical que eu estava tendo conversas com banqueiros em nome do então candidato à Presidência da República, Ciro Gomes, o que obviamente nunca aconteceu.

Eu escrevi pra ela por email, afirmei que não era verdade e demandava um desmentido no mesmo espaço. Ela me respondeu dizendo que (sic) suas fontes confirmaram os encontros e o que ela podia fazer era “ouvir minha versão”. Respondi que não tinha nenhuma versão pra dar sobre algo que simplesmente não ocorreu. Então pedi a ela a data, horário e local desses supostos encontros que eu iria provar que estava em outro local no mesmo dia e horário.

Ela me ignorou.

A troca de emails está abaixo. Creio que a jornalista Daniela Lima da GloboNews me deve, com 6 anos de atraso, um pedido de desculpas ao vivo.

Caro,

Como vai?

Posso publicar uma nota com seu posicionamento, mas ressaltando que a informação publicada pela coluna foi checada e rechecada com presidentes e integrantes da cúpula de instituições financeiras. Não há, portanto, que se falar em “mentira” ou erro.

Se quiser conversar para contextualizar sua posição, envie um número de telefone.

Se desejar assinar uma mensagem no Painel do Leitor, espaço dedicado a mensagens deste tipo, o e-mail é [email protected].

À disposição,

Daniela Lima

Editora da coluna “Painel””

Resposta:

Daniela,

Não tenho nenhum interesse em conversar com você ou qualquer outro jornalista sobre conversas que simplesmente não existiram. Não conheço nenhum presidente ou integrante da cúpula de instituições financeiras, Se essas pessoas dizem que conversaram comigo e ainda mais em nome do ex-governador Ciro Gomes cabe a elas o ônus da prova, não a mim. Continuo afirmando que a informação apresentada na coluna Folha de São Paulo é MENTIROSA por se afirmar a ocorrência de conversas que simplesmente não existiram. Caso essa notícia traga algum prejuízo para a minha vida profissional e/ou pessoal, usarei os meios cabíveis na legislação em vigor para buscar a justa indenização.

Sem mais por hora, despeço-me cordialmente,

José Luis Oreiro