As evangélicas, a mamadeira de piroca e a eleição de Bolsonaro

Mamadeira de piroca, fake news bolsonarista. Foto: Reprodução/Ultrajano

Publicado originalmente no Instituto Humanitas Unisinos

“Não há dúvida de que o voto evangélico foi fundamental para a eleição de Jair Bolsonaro. Mesmo sendo menos de um terço do eleitorado, as lideranças evangélicas são muito atuantes na política e estão colhendo o resultado de anos de ativismo religioso na sociedade”, escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 06-03-2019.

Eis o artigo.

O sociólogo Marcos Coimbra afirmou ao jornalista Mauro Lopes do canal “Paz e Bem” (e à TV) 247 que a parcela feminina pobre e evangélica do eleitorado foi quem decidiu a eleição presidencial de 2018 a favor do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente do Instituto Vox Populi afirmou que, nas semanas anteriores ao pleito, a diferença entre Fernando Haddad e Jair Bolsonarose manteve estável no eleitorado feminino católico, mas apresentou uma grande alteração no eleitorado feminino evangélico.

Segundo Coimbra, foi a manipulação desta parte do eleitorado, e não o sentimento antipetista generalizado, que explica a derrota do PT. Ele argumentou que o antipetismo não é tão abrangente como parece, pois apenas 9% dos eleitores que votaram em Bolsonaro afirmaram “odiar” o PT. “Isso significa que cerca de 90% da sociedade brasileira gosta do PT, ou não tem nenhum sentimento a favor ou contra o partido, ou não gosta do PT bem como pode não gostar de outros partidos”. Por fim ele conclui: “Não se pode sair de um processo político complicado aceitando a versão do vencedor. O vencedor não tem o direito de impor a versão dele”.

Evidentemente, esta análise do presidente da Vox Populi está sujeita a questionamentos e a maiores debates, pois superestima o peso do “segmento feminino pobre e evangélico” do eleitorado e subestima o sentimento antipetista da sociedade brasileira que cresceu em função dos erros do PT ao longo dos 13 anos de governo e dos erros acumulados durante a campanha eleitoral de 2018.

Como mostrei em artigo publicado logo depois ao segundo turno da eleições presidenciais de 2018 (ALVES, 31/10/2018), a diferença positiva que Bolsonaro obteve entre o eleitorado evangélico foi, de fato, suficiente para compensar as derrotas entre as religiões Afro-brasileiras, os sem religião e os ateus e agnósticos. Os 11,6 milhões de votos que Bolsonaro obteve a mais do que Haddad entre os evangélicos foi maior que a diferença total registrada entre os dois candidatos, no resultado final. Mas como mostra a tabela abaixo, Bolsonaro também ganhou, por exemplo, entre os espíritas, que são um segmento de renda mais elevada.

Assim, não há dúvida de que o voto evangélico foi fundamental para a eleição de Jair Bolsonaro. Mesmo sendo menos de um terço do eleitorado, as lideranças evangélicas são muito atuantes na política e estão colhendo o resultado de anos de ativismo religioso na sociedade. Não foram apenas as mulheres pobres evangélicas, mas o conjunto deste segmento religioso que influiu no resultado geral.

De fato, como mostraram Alves et. al. (2017), o Brasil passa por uma transição religiosa de grande proporção. Em 1950, os católicos representavam 93,5% da população e os evangélicos apenas 3,4%. Mas nas últimas sete décadas a percentagem de pessoas que se declaram católicas caiu rapidamente e chegou a 64,6% em 2010. No mesmo período os evangélicos (tradicionais e evangélicos) cresceram e atingiram 22,2% em 2010. Houve também crescimento de outras religiões (como espíritas, etc.) e do percentual de pessoas que se declaram sem religião. Portanto, a transição religiosa brasileira se caracteriza pelo mudança na correlação de forças entre os dois maiores grupos (com queda dos católicos e ascensão dos evangélicos) e maior pluralidade religiosa, inclusive um aumento significativo de pessoas que se consideram sem religião.

Pesquisa da própria Fundação Perseu Abramo, de 2017, havia mostrado que segmentos populares das periferias das grandes cidades estavam assumindo uma visão de mundo que inclui o papel do empreendedorismo na redução da pobreza (como prega a teologia da prosperidade), além de adotar uma postura favorável ao conservadorismo comportamental. Portanto, a questão religiosa e política parece ser mais complexa na sociedade brasileira.

Não dá para reduzir o fenômeno da vitória do capitão Bolsonaro, fundamentalmente, às “fake-news” voltadas a segmentos específicos do eleitorado. Mas o debate está aberto e este assunto é realmente interessante e merece mais estudos e análises.

Referência:

ALVES, JED. O voto evangélico garantiu a eleição de Jair Bolsonaro, Ecodebate, 31/10/2018

Mauro Lopes. Milhões de evangélicas pobres decidiram a eleição em favor de Bolsonaro – é preciso conversar com elas, Canal Paz e Bem, 20/02/2019

ALVES, JED, CAVENAGHI, S, BARROS, LFW, CARVALHO, A.A. Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil, Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 29, n. 2, 2017, pp: 215-242

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!