Baixaria à sombra da mangueira do Alvorada. Por Helena Chagas

Bolsonaro xinga jornalista em coletiva

Publicado originalmente em Os Divergentes

Por Helena Chagas

A vida nunca foi fácil à sombra da mangueira do Alvorada. Tenho vasta quilometragem naqueles plantões. Horas a fio vigiando o entra e sai do portão do Palácio, sentados no chão, sol e chuva, sanduíche frio, coca-cola quente… Na maioria das vezes, pouca notícia. Mas a obrigação de ficar ali. Espanta a leviandade dos que, nas redes sociais, criticam os profissionais que têm sido alvo das ofensas grosseiras do presidente Jair Bolsonaro à saída do Alvorada, onde para todos os dias para dar algum recado.

Como os jornalistas aceitam isso? Por que não reagem? Por que não respondem? Por que simplesmente não se recusam a ouvir e vão todos embora?

Porque são profissionais, cumprindo sua obrigação. Ser ofendido, com transmissão ao vivo, pelas inúmeras bobagens que o presidente da República diz não é nada agradável. Mas perderá a razão qualquer jornalista que chame Bolsonaro para a briga ou lhe dê uma resposta na mesma altura — ainda que muito merecida.

Deve dar vontade, sim, de abandonar a cobertura e deixar o presidente falando sozinho. Mas também é solução, nem do ponto de vista do jornalismo e nem da defesa da democracia. Talvez seja isso o que Bolsonaro quer. Mas o país ficaria privado de saber que seu presidente disse que um jornalista tem “cara de homossexual”, como se isso fosse um defeito, e envolveu a mãe de outro em uma resposta grosseira.

Apesar de tudo isso, e de não reagir diretamente, os plantonistas do Alvorada continuaram fazendo o que devem – e que tanto irrita Bolsonaro: perguntando e expondo as respostas que recebem. Porque deve ser assim, tanto nas democracias estáveis como naquelas que precisam lutar para sobreviver.