Barbárie bolsonarista: deputado quer tornar compulsória a doação de órgãos de mortos pela polícia. Por Carlos Fernandes

Daniel Silveira ao lado de Bolsonaro

É mais do que sabido que com a ascensão do bolsonarismo ao poder, veio junto o que de pior pode ser qualificado em matéria de violência e desrespeito aos direitos humanos.

Num governo que foi eleito tendo como símbolo maior de campanha as armas, matar seres humanos pobres, negros e favelados que até então era fetiche velado, passou a ser política de Estado.

Se com o pacote “anticrime” do ministro Sérgio Moro a polícia – e as milícias – encontraram o seu salvo conduto para intensificar o que de melhor sabem fazer, é com os dois projetos apresentados pelo deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) que o fruto da chacina institucionalizada encontra o seu “respaldo” social.

É o que em economia pode se chamar de mercado complementar, ou seja, um mercado que surge para dar suporte e viabilidade a outro.

Daniel Silveira, para quem ainda não teve o desprazer de conhecer, é um dos sujeitos que aparecem posando orgulhosos após praticarem o vandalismo de quebrarem a placa da vereadora assassinada Marielle Franco.

Aliás, o outro é o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ) que teve o cinismo de emoldurar uma das partes da placa e quer homenagear os policiais que mataram 13 suspeitos no Rio.

A turma vibra mesmo quando alguém é abatido a queima roupa.

Voltando a Daniel, o que os seus projetos de estreia na Câmara Federal estabelecem é que 1) doação compulsória de órgãos e tecidos quando pessoas em confronto com agentes públicos de segurança tiverem morte encefálica e 2) cessão de órgãos e tecidos em cadáver que apresentar indícios de morte por ação criminosa.

É simplesmente um insulto sob todos os aspectos, sejam eles éticos, morais ou legais.

Aqui retira-se dos familiares a decisão do que fazer com o corpo de seus entes assassinados por agentes do Estado, independentemente de serem culpados ou inocentes, já que, como sabemos, o policial no Brasil não só prende mas, ele próprio julga, condena e executa. A eficiência em pessoa.

Para além disso, a coisa não se limita apenas nos ditos confrontos diretos. Se a polícia encontrar um cadáver que julgue, apenas julgue, ter indícios de morte em função de atividade criminosa, segue também para a doação compulsória de seus órgãos e tecidos.

É preciso que se diga, se o tráfico de órgãos na saúde pública brasileira tivesse ações na bolsa de valores, essas propostas fariam seus índices atingirem a estratosfera.

Daniel Silveira definitivamente não possui qualquer comprometimento com os pacientes que sofrem na fila de espera de doações de órgãos. O que ele realmente quer é arrumar uma desculpa para que policiais e milicianos, tão próximos e afeitos ao seu partido, possam assassinar pessoas sem qualquer peso na consciência acreditando, inclusive, estarem fazendo um relevante serviço para a saúde pública do país.

Essa ideia, por sinal, não é sequer original.

Há não muito tempo atrás um jovem médico decidia por conta própria quem possuía condições físicas e de saúde para serem escravizados no campo de concentração de Auschwitz, quem deveria ser sumariamente encaminhado para as câmaras de gás e quem serviria para seus “experimentos humanos” em busca de “novas descobertas” para a medicina.

Se Hitler chancelou Josef Mengele a decidir quem deveria “doar” seus órgãos em “prol da medicina”, o bolsonarismo chancela Daniel Silveira a decidir quem deverá “doar obrigatoriamente”, uma contradição em si, seus órgãos para os pacientes nas filas de espera.

Certa vez comentei que com a eleição de Bolsonaro não havíamos retornado a ditadura militar, mas sim, a algo ainda pior.

Os fatos que vão se sucedendo desde a abertura das urnas em outubro de 2018 mostram que o Brasil, a passos largos, cada vez mais se assemelha à Alemanha nazista.

Sem meras coincidências, já possuímos até o nosso próprio Josef Mengele tupiniquim.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!