Barroso “estica” o voto para colocar pressão em Rosa Weber. Por Fernando Brito

Luís Roberto Barroso, ministro do STF. Foto: Rosinei Coutinho/STF

Do Tijolaço:

Luís Roberto Barroso esticou o quanto pôde seu voto – durou mais de 1 hora e meia! – para levar ao encerramento da sessão do STF sem que Rosa Weber pudesse votar na sessão de hoje.

O voto da ministra é considerado o decisivo, por conta de seu comportamento na votação do Habeas Corpus de Lula, no qual ela declarou sua adesão à tese de que não seria constitucional a prisão antes do trânsito em julgado das sentenças condenatória mas votou contrário à concessão, diz ela, para não mudar jurisprudência e “homenagear o colegiado”.

Mais tempo, portanto, para “embargos auriculares”, aqueles onde os cochichos formam convicção jurídica.

Para esticar voto, Barroso não se furtou a absurdos, como o de desfilar estatísticas de que as prisões em segunda instância estaria ajudando a fazer crescer menos a massa carcerária, explicando que, como os acórdão dos Tribunais de Justiça e o Tribunais Regionais Federais levam à prisão automática, os desembargadores estariam “sendo mais cautelosos” e não condenando tanto…

Quer dizer, “como você será preso, eu não te condeno…”

Fez questão de dizer que não vota segundo a “opinião pública”, mas listou reportagem sobre um suposta dificuldade do Brasil em entrar na OCDE por conta de decisões contrárias à histeria lavajatista, passando ao largo de que o que nos tirou do órgão dos países desenvolvidos foi o “beijinho, beijinho, tchau, tchau” de Donald Trump.

Amanhã a tarde o julgamento é retomado, mas há pouca esperança de que termine na mesma sessão, faltando o voto de sete ministros.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!