Basquete e socialismo: como a NBA combate a desigualdade no país mais desigual do mundo, os EUA

Draft: NBA premia jogadores de primeira linha para as piores equipes do ano anterior

O New York Times publicou matéria de Binyamin Appelbaum e Tala Schlossberg sobre o “socialismo” da NBA, a liga de basquete americana.

“Os Estados Unidos são um dos países mais desiguais do primeiro mundo. As pessoas que não são ricas têm menos chances de sucesso e menos chances de seus filhos terem sucesso”, diz o texto.

“Quando se fala em consertar essas coisas, no entanto, as pessoas perdem a cabeça. Tributar os ricos? Ajudar os pobres? Para muitos americanos, isso cheira a socialismo”.

Segundo os autores, uma parte da sociedade americana — a NBA — vem lutando com sucesso contra a desigualdade há anos porque o  importante é “garantir que todos tenham uma chance”.

Escrevem Appelbaum e Schlossberg:

Na NBA, há equipes ricas e equipes pobres. New York Knicks, Los Angeles Lakers e outros times das grandes cidades cobram mais por ingressos, vendem mais mercadoria e negociam mais direitos de transmissão. Eles estão rolando em dinheiro. Enquanto isso, Phoenix Suns e Minnesota Timberwolves estão lutando para sobreviver.

Talvez você esteja pensando: “Ótimo. Isso é uma competição. Que vença o melhor, certo?”. Bem, não. A NBA quer competição na quadra. Mas para manter essa competição e garantir que cada equipe tenha uma chance de lutar, a NBA impõe regras rigorosas para limitar a competição em todos os outros lugares.

Regra 1: compartilhamento de receitas. A NBA ganha cerca de 2,6 bilhões de dólares por ano com os acordos da televisão nacional. Mas esse dinheiro é dividido igualmente entre as equipes, independentemente do número de espectadores que cada uma atrai. Equipes populares, que atraem grandes audiências, estão na verdade desistindo de parte de seus ganhos para ajudar as equipes menos lucrativas.

Regra 2: limite de gastos. Há uma coisa chamada teto salarial. É um limite de quanto cada equipe pode gastar com os jogadores. No ano passado, foi de cerca de 110 milhões de dólares. Cada time tem que ficar abaixo dessa margem. Assim, em vez de promover um mercado livre e sem barreiras, a NBA tenta garantir que as equipes ricas não superem sempre todas as outras. E isso significa que as equipes pobres podem fazer ofertas salariais competitivas aos melhores jogadores.

Regra 3: o Draft. Novos jogadores entram na NBA através de um sorteio. Mas como decidir quem adquire o novo talento? Bem, não é aleatório. A associação premia aqueles preciosos jogadores de primeira linha para as piores equipes do ano anterior. Isso mesmo. Os piores times de cada temporada são na verdade recompensados por seus fracassos, obtendo uma melhor chance na escolha dos atletas. Pode ser um trunfo na construção de um time melhor para a próxima temporada.

Por que a NBA faz tudo isso? Em termos simples, eles sabem que uma competição desregulada seria um desastre. Os times ricos usariam suas montanhas de dinheiro para comprar todos os melhores jogadores e, em pouco tempo, estrangulariam os outros no campeonato. Você começaria a ver os mesmos poucos times disputando o título em todos os anos – Lakers, Bulls, Knicks. Lakers, Bulls, Knicks. Imaginem só – os Knicks. Seria muito parecido com o resto dos EUA, onde as pessoas mais ricas podem montar fundos fiduciários para seus filhos, enquanto todos os outros se esforçam apenas para pagar o aluguel.

Talvez você esteja se perguntando: por que as equipes ricas concordam em compartilhar seus lucros obtidos com seus rivais mais pobres? Bem, a resposta é simples – os Lakers precisam de outras equipes para jogar – boas equipes. Caso contrário, qual é o sentido? A única razão pela qual os fãs acompanham o basquete é porque acreditamos que é uma luta justa. (…)

O que seria necessário para que a América se parecesse um pouco mais com a NBA? Bem, precisaríamos de impostos mais altos sobre os ricos para redistribuir o dinheiro deles para o resto de nós. E, assim como a minuta da NBA, precisaríamos dar às pessoas pobres uma melhor oportunidade, como garantir que todos tenham acesso à educação e a uma boa moradia. (…)

Mas ainda podemos aprender uma lição com a NBA. Eles não aboliram os vencedores e os perdedores. Eles não aboliram o capitalismo, nem a riqueza ou o lucro. Eles simplesmente impedem que as equipes usem esses lucros para manipular o sistema e estragar o jogo para os demais.

Isso não é socialismo. É apenas um jogo limpo. Então, em que mundo você quer viver? Numa sociedade em que todos têm uma chance de sucesso ou numa onde os vencedores são sempre os New York Knicks?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!