Bebianno descobriu o óbvio tarde demais: o problema não é Carlos Bolsonaro, é Jair. Por Kiko Nogueira

Carlos e Jair Bolsonaro

Gustavo Bebianno falou o óbvio ululante quando apontou o dedo para o pai na crise que culminou em sua exoneração.

“O problema não é o pimpolho. O Jair é o problema. Ele usa o Carlos como instrumento. É assustador”, disse, segundo Lauro Jardim no Globo.

“Perdi a confiança no Jair. Tenho vergonha de ter acreditado nele. É uma pessoa louca, um perigo para o Brasil.”

Carlos é produto de Jair, com quem tem uma relação obsessiva. O rosto do genitor está tatuado em seu braço direito.

Bastaria um cala boca do velho.

Ele é usado por Jair não é de hoje.

Vinicius Segalla contou no DCM um episódio revelador dessa relação. Reproduzo alguns trechos:

No ano 2000, Rogéria Nantes Braga Bolsonaro era vereadora do Rio de Janeiro pelo PMDB. Tentava a reeleição para seu terceiro mandato.

Nas duas eleições anteriores, fora pelo nome e fama do seu então marido, ex-capitão, ex-vereador e então deputado federal, então pelo PPB, Jair Bolsonaro, que se elegera.

Em 1997, o casal se separou. Os reais motivos da separação, só Rogéria e Bolsonaro podem saber. 

“Eu a elegi. Ela tinha que seguir minhas ideias. Acho que sempre fui muito paciente, mas ela não soube respeitar o poder e a liberdade que lhe dei”, declarou Bolsonaro à Istoé Gente.

Então, na eleição municipal de 2000, quando a dita dona de casa tentava se eleger vereadora pela terceira vez, Rogéria deixou de contar com o apoio de Jair Bolsonaro.

Naquele ano, o ex-capitão lançou outro candidato à Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Seu nome: Carlos Bolsonaro, um adolescente de 17 anos.

Para que pudesse se candidatar, de acordo com a lei, era preciso que fosse emancipado. Bolsonaro emancipou o “garoto” para jogá-lo contra a mãe.

O rapaz se elegeu e o resto é história. Ele deve tudo a Jair. Vida, carreira e, como sabia Freud, herança psíquica.

O resultado estamos vendo hoje, ao vivo nas redes sociais, com um país refém de uma família disfuncional.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!