Um programa de tevê em que dois homens estudam o corpo de mulheres nuas causa furor na Dinamarca

Uma das participantes recebeu cinco propostas de casamento e disse que se sentiu valorizada.

z13843669Q,Kadr-z-programu--Blachman-
Muita controvérsia e muita audiência

O artigo abaixo, de autoria da jornalista Emma Jane Kirby, foi publicado originalmente na BBC.

Um ano atrás, visitei a sede da emissora pública dinamarquesa DR para fazer um vídeo sobre o sucesso internacional de duas séries, Borgen e The Killing.

Os protagonistas nessas duas séries eram mulheres fortes, resolutas, que não tomavam desaforo de ninguém.

Assim, parece um pouco surreal estar de volta à Dinamarca agora para falar com a mesma emissora sobre seu novo programa, chamado Blachman, em que uma mulher fica nua na frente de homens completamente vestidos e permanece em silêncio enquanto eles falam sobre seu corpo.

“Não é um reality show”, protesta o inventor e apresentador do programa, Thomas Blachman. “E isso é poesia, não pornografia.”

É desconfortável ver Blachman, camisa desabotoada cuidadosamente, sentado com um amigo estilista e olhando os pêlos pubianos de uma mulher.

“Eu não gosto realmente de depilação”, ele diz, antes de comentar com seu amigo que a mulher tem pés agradáveis. A mulher recebeu 250 euros (cerca de 600 reais) por sua aparição.

“Oh, vamos lá!”, reage Blachman quando digo que acho o silêncio da mulher profundamente irritante.

“As mulheres falam o tempo todo. Esse programa é para que os homens digam o que pensam sobre os corpos das mulheres.”

Blachman acredita na Dinamarca moderna, onde há leis estritas de igualdade e oportunidades, os homens se tornaram emasculado por mulheres poderosas e silenciados sob o manto do politicamente correto.

“Os corpos das mulheres anseiam pelas palavras dos homens”, ele insiste. “Eu não podia imaginar que fôssemos ter uma reação tão negativa das feministas agressivas. Claro que eu queria provocar um pouco, mas o programa não é machista.”

Quando conversei com Nina – uma atraente, falante professora primária que foi um dos estudos de nus de Blachman – ela me disse que sentiu valorizada pela aparição no programa.

Mas ela admite que gostaria de ter podido falar, especialmente quando Blachman e seu convidado estavam discutindo sua cicatriz de cesariana.

Após o programa, Nina não recebeu apenas dezenas de cartas de fãs. Ela recebeu também cinco propostas de casamento.

Blanchman (esquerda) e um convidado
Blanchman (esquerda) e um convidado

Mas as feministas – como a comediante Sanne Sondergaard – estão indignadas. “Na Dinamarca, o sexismo não é assunto”, diz ela. “E então surgiu esse programa. É lixo sexista.”

“Sinto muito, mas mesmo que ele diga coisas boas, um homem não tem o direito de falar sobre o meu corpo só porque eu sou uma mulher!”

A emissora DR2 teve mais queixas sobre o programa Blachman do que em qualquer outra ocasião. Teve também uma audiência enorme, ampliada pela internet, onde você pode ver outra vez o programa.

Sofia Fromberg, editora do programa, insiste que não está perseguindo audiência com seios e traseiros.

“Blachman está longe das maiores audiências da emissora”, diz ela. “Nosso objetivo é gerar discussão sobre questões importantes na sociedade. E o programa criou um monte de debate.”

Thomas Blachman tem sido acusado nos meios de comunicação dinamarqueses de ser pouco mais do que um “homem de meia idade desprezível em um clube de strip”.

Na maior parte do programa ele parece pouco à vontade e um pouco estranho. Seu foco tende a ser mansamente posto abaixo dos joelhos, em vez de colocar os olhos em pontos mais previsíveis como os seios e os traseiros.

“Belos tornozelos”, diz ele. “Sou o tipo de cara que gosta de tornozelos.” Antes de fazer uma única observação sobre a mulher nua na frente dele, um de seus convidados leva uns bons cinco minutos para explicar que tinha sido casado por 50 anos até que sua esposa morresse no ano passado.

Em tais ocasiões, a mulher nua em silêncio na frente deles parece quase esquecida e irrelevante.

Mas não há como esconder o fato de que, quanto mais escandaloso o programa, mais ele puxa telespectadores.

Na semana passada, durante uma discussão sobre o aleitamento materno numa estação na Holanda, o anfitrião disse que gostaria de experimentar o leite materno.

Uma mulher da audiência ofereceu um pouco de leite, mas ele disse que preferia tirá-lo de sua fonte e chupou seus seios ao vivo na TV.

Uma enorme onda de reclamações logo tomou as mídias sociais, ainda que a emissora tenha dito que não houve conotação sexual no ato.

Há alguns anos fiz uma reportagem sobre outro programa holandês controverso chamado Quero seu Bebê!

Nele, uma mulher solteira selecionava o pai de seu bebê entre um grupo de homens, descartando um a cada semana. Esse programa causou alvoroço na Holanda e levantou questões no Parlamento – e nunca foi além do piloto.

No mês passado, um reality show na França foi submetido a uma saraivada de críticas depois que um competidor morreu num duro desafio no deserto e o médico do programa – que não foi capaz de salvá-lo – se matou.

Na Itália, baixas audiências levaram a emissora estatal RAI a se desfazer de todos os seus reality shows em 2007. A RAI disse que iria colocar o dinheiro economizado em filmes e programas mais cerebrais.

Agora, a nova diretora da RAI suspendeu showgirls vestidas sensualmente para projetar uma imagem mais sofisticada das mulheres na emissora.

Para espectadores que sintam falta de mulheres seminuais, restam os programas transmitidos nos canais privados de propriedade do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi.

De volta à Dinamarca, Blachman afirma que nunca criticou o corpo da mulher nua.

“O programa na verdade é uma homenagem às mulheres,” diz ele. Infelizmente para ele o seu “tributo” não terá uma segunda temporada.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!