Com dízimos em queda, medalhões evangélicos aconselham Bolsonaro: “Controla a inflação na canetada”

Bolsonaro canetada
Bolsonaro foi aconselhado, mas não pretende seguir os pedidos

Jair Bolsonaro recebeu pedidos nesta sexta-feira (8) que o deixaram muito preocupado. Com a inflação em alta, líderes evangélicos ligaram para o presidente pedindo que ele resolva a situação. Segundo um grupo de pastores e bispos, “os fiéis estão passando por dificuldades” e “não estão conseguindo contribuir com o dízimo”.

A inflação oficial de setembro ficou em 1,16%, segundo o cálculo no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Com o valor, a taxa totalizou 10,25% em 12 meses. Os dados foram divulgados nesta sexta pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme previsto, é a maior taxa de setembro desde o início do Plano Real, em 1994. No ano em questão, o índice foi de 1,53%. O total, de 10,25% também atinge a pior taxa anual desde fevereiro de 2016, quando ficou em 10,36%. No ano, o IPCA acumula alta de 6,9%.

Diante destes dados, líderes evangélicos resolveram conversar com o presidente, segundo apurou o DCM. Disseram que viram os números oficiais, mas que já sabiam deste problema há muito tempo. Bolsonaro concordou e falou que também tem consciência do problema da inflação. Inclusive, voltou a colocar a culpa na pandemia.

Eles explicaram que os fiéis não estão conseguindo pagar o dízimo como antigamente. “Muitos irmãos estão desempregados e alguns não sabem nem o que vão comer no dia seguinte”, relatou um bispo. “A igreja sempre tenta ajuda, mas vem ficando cada vez mais difícil”, desabafou outro pastor.

É importante destacar que as igrejas dependem das doações de seus membros para pagarem funcionários, contas de luz, água, entre outras coisas. Até mesmo para ajudar na distribuição de cestas básicas para pessoas carentes.

Com a miséria crescendo em todo país, muitas instituições religiosas vêm passando por problemas. Enquanto a contribuição de dízimo vem caindo, pessoas pedindo ajuda tem para se alimentar tem crescido.

Leia mais:

1 – Twitter suspende contas de Allan dos Santos e do Terça Livre por ordem judicial

2 – Ministra da Mulher, Damares é contra distribuição de absorventes e usa vacina como justificativa

3 – Filho de Bruno Covas almoça com Joice Hasselmann após criticar filiação dela para o PSDB

Bolsonaro foi aconselhado

Bolsonaro escutou tudo atentamente, mas reiterou que o mundo inteiro está sofrendo com a alta da inflação. E ainda disparou: “Só vai parar de crescer imediatamente se eu segurar tudo na canetada”.

“Então segure. Controle a inflação na canetada. Do jeito que tá, nossos irmãos vão continuar passando dificuldade. E você vai perder a eleição”, disse um bispo.

O presidente falou que não quer fazer isso, porque a situação só vai piorar a médio prazo. E disse que o novo Bolsa Família pode amenizar o problema, desde que passe no Congresso.