Bolsonaro cuida de criar seu slogan: genocida. Por Fernando Brito

Publicado no Tijolaço

Faixa que causou prisão de cinco manifestantes em Brasília. Foto: Reprodução

Velho amigo deste blog e genial cartunista Renato Aroeira, em entrevista à TV247, mata a óbvia charada do que vão conseguir os lambe-botas do governo em iniciar processos pela “Lei de Segurança Nacional” contra quem chama Jair Bolsonaro de “genocida”: um tiro – e um tirambaço – em seu próprio pé.

Em primeiro lugar, porque são processos que, desde que o país saiba deles e se proveja assessoria jurídica de qualidade – quem tem, como os blogs progressistas que enfrentar processos de natureza política, sabe o quanto isso custa – não darão em coisa alguma.

Em seguindo lugar, porque está tornando “popular” uma expressão e um conceito que, de outra forma, seriam quase ilegíveis para o grande público e e passaram a ter uma leitura em que o próprio nome Bolsonaro passa a ser dispensável: escreva-se genocida e tudo estará dito e “improcessável”.

A menos que se queira, como ironiza Aroeira, prender e processar 10, 50, 100 mil “subversivos” perigosos como o youtuber Felipe Neto.

A esta hora, estão-se fazendo faixas, camisetas, adesivos e, sem o sujeito da expressão, nenhum deles dirá menos do que diz “Bolsonaro Genocida”.

Uma espécie de “Ele, não” 2.0, agora que todos já sabem porque “Ele, não”.

Porque ele, sim, é o maior responsável por um genocídio que já está chegando – semana que vem – a 300 mil mortos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!