Bolsonaro ensaiou bem um discurso com frases que não são dele. Por Moisés Mendes

O presidente voltou a repetir suas bravatas – Foto: EVARISTO SÁ/AFP – 05.05.2021

A turba bolsonarista, que esperava mais virulência, deve ter achado fraco, com mais do mesmo, o discurso de Bolsonaro em Brasília. Mas foi forte.

Repetiu ameaças ao Supremo e em especial a Luiz Fux, que não estaria controlando Luis Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, e disse que vai reunir amanhã o Conselho da República, para encaminhar o golpe.

O trecho mais forte, em meio aos blefes, e que não pode passar batido, é este:

“Peço a Deus, mais do que sabedoria, força e coragem para bem decidir. Não são fáceis as decisões. Não escolham o lado do conforto. Sempre estarei ao lado do povo brasileiro”.

Leia mais:

1 – Adnet critica bolsonaristas por festejarem participação de Queiroz nos atos golpistas

2 – Foragido, Zé Trovão diz que entregará ao Senado pedido de impeachment de ministros do STF

3 – Na Paulista, bolsonarista fantasiado de xerife americano diz que Brasil tinha que ser como os EUA

Continue lendo a análise de Moisés Mendes

Bem decidir sobre o golpe? No Conselho da República? Esse trecho, por ter um pouco de sofisticação, não tem a marca de Bolsonaro.

São frases acima da média do que ele é capaz de dizer. São elaboradas. Certamente foram escritas por alguém.

Há outros momentos em que Bolsonaro parece estar soletrando o que alguém escreveu e ele decorou. O sujeito se preparou para calibrar a fala.

Bolsonaro já avisou que o grande discurso será feito à tarde na Avenida Paulista.

O vídeo com o discurso está na área de comentários.

Abaixo, o vídeo com o discurso:

Publicado originalmente no blog do autor

Por Moisés Mendes