Bolsonaro e ditadura militar dividem rua Maria Antônia 50 anos depois

 Estudantes fizeram um ato de repúdio ao presidente Bolsonaro; apoiadores do governo causaram tumulto e brigas - Créditos: Vanessa Nicolav
Estudantes fizeram um ato de repúdio ao presidente Bolsonaro; apoiadores do governo causaram tumulto e brigas / Vanessa Nicolav
PUBLICADO NO PORTAL BRASIL DE FATO

Apoiadores do governo de extrema direita do presidente Jair Bolsonaro promoveram um clima de confusão e tensão nas ruas que cercam a Universidade Mackenzie, em um bairro nobre de São Paulo. No mesmo local, o movimento estudantil do Mackenzie e de outras faculdades e universidades da capital paulista fizeram um protesto contra o governo e as comemorações do golpe militar de 1964.

O presidente Bolsonaro tinha uma visita programada ao Mackenzie junto com o ministro de Ciências e Tecnologia Marcos Pontes. Porém, na última hora transferiu os compromissos com a direção da instituição de ensino para uma base do exército.

A polarização entre os movimentos de esquerda e os apoiadores da ditadura militar reviveu, de certo modo, os conflitos do dia 2 de outubro de 1968, quando estudantes do Mackenzie, ligado ao grupo CCC (Comando de Caça aos Comunistas) atacaram e dispararam tiros contra estudantes da faculdade de Filosofia da USP (Universidade de São Paulo) que na época ficava na mesma rua.

“Esse ato é um recado para dizer que ele [Bolsonaro] não é bem-vindo nas universidades. Os estudantes estão muito indignados com o que o Brasil tem vivido. Ele determinou que no dia 31 e no dia 1 [de abril], o exército comemore o golpe militar. Um homem como esse, ainda que presidente, não é bem-vindo. A resposta para a comemoração do golpe é esse grito de liberdade, de democracia, educação livre, que fazemos aqui hoje ”, disse Mariana Dias, presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE).

De acordo com a estudante, o ato foi organizado em conjunto com os diretórios e centros acadêmicos do Mackenzie, com a UNE e a União Estadual dos Estudantes (UEE).

#AOVIVO Ato contra Bolsonaro na Universidade Mackenzie, na capital paulista. O ato foi motivado após Bolsonaro agendar uma visita à universidade, cancelada após estudantes anunciarem protesto contra o presidente.

Posted by Brasil de Fato on Wednesday, March 27, 2019

Por outro lado, o grupo que foi prestar apoio ao presidente gerou uma série de confusão provocando os estudantes e quem passava pela rua. Um estudante negro do Mackenzie que estava filmando o ato foi hostilizado pelos bolsonaristas. Os seguranças do universidade tiveram que intervir para evitar brigas no ato pró-Bolsonaro.

“Eles partem do pressuposto que a verdade é uma só e que essa verdade é a deles. Eles não estão abertos para discutir com a gente”, comentou a estudante do Mackenzie, de 17 anos, sobre as pessoas que foram até lá com bandeiras verdes e amarelas para ver o Bolsonaro.

O estudante de jornalismo Vítor Diniz, uma das pessoas do ato de apoio ao presidente, comentou o clima do protesto.

“Viemos saudá-lo e homenageá-lo porque é o nosso presidente. Um estudante negro de esquerda chamou uma ativista nossa, que também é negra, de capitãzinha-do-mato. Então o racismo não foi nosso. Realmente, os seguranças do Mackenzie fizeram um excelente trabalho porque quando viram que o clima estava esquentando, afastaram o nosso lado e o outro lado também”, disse.

Grupo de apoio ao Bolsonaro gerou uma série de confusões, provocando os estudantes e quem passava pela rua./ Crédito: Vanessa Nicolav.

O Coletivo AfroMack, formado por estudantes e funcionários negros e negras da instituição, publicou uma nota de repúdio à presença do presidente, autor de diversas declarações racistas, na universidade.

“Jamais deixaríamos de registrar nossa indignação e revolta em relação a ameaça que essa visita representa aos estudantes e funcionários negros – além dos pertencentes à outros grupos minoritários. Desde a sua campanha e candidatura, Jair Bolsonaro vêm nos agredindo e usando isso como base ideológica do seu plano de governo, distribuindo seus preconceitos nos âmbitos em que possui poder”, diz um trecho da nota.

O grupo também relembra que já ocorreram vários casos de racismo dentro do Mackenzie ou envolvendo seus alunos.  Um dos mais recentes e notórios aconteceu em outubro do ano passado, quando um aluno do último ano de Direito, fã do Bolsonaro, apareceu armado em um vídeo dizendo: “a negraiada iria morrer” após a eleição.

O aluno passou por um processo de expulsão, porém, devido a um erro da universidade na tramitação do caso, ele foi readmitido para concluir o curso.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!