Bolsonaro, Moro e Witzel oferecem ao Brasil a paz dos cemitérios. Por Kennedy Alencar

Jair Bolsonaro e Sérgio Moro. Foto: Agência Brasil

Publicado originalmente no Blog do Kennedy

POR KENNEDY ALENCAR

Os 80 tiros disparados contra um carro no Rio de Janeiro no último domingo não podem ser admitidos como uma ação de segurança pública. Ocorreu um fuzilamento em praça pública.

Mesmo que houvesse bandidos no carro, a ação não poderia ter sido feita como foi. Fuzilar um automóvel no meio de uma avenida é assumir o risco de chacinar pessoas. E, na hipótese de um carro estar ocupado por criminosos, convém lembrar que não há pena de morte no Brasil e que o ministro Sergio Moro ainda não conseguiu flexibilizar a norma de legítima defesa prevista no Código Penal.

Mas, no caso em questão, não havia bandidos no carro. Havia uma família. Uma família negra.

A política de segurança pública apregoada pelo presidente Jair Bolsonaro, pelo ministro Moro e pelo governador Wilson Witzel (PSC-RJ) é a da mão pesada contra criminosos, é a do uso de violência ainda maior. Essa política objetiva nos dar a paz dos cemitérios, aquela paz que alguém sente quando vê que o inimigo está a sete palmos debaixo da terra.

Para essa política ser bem-sucedida, vamos ter de matar todos os bandidos, matar muitas pessoas, sobretudo pessoas pobres, sobretudo pessoas negras. Vamos promover chacinas e tragédias nas nossas periferias urbanas. No domingo, o músico Evaldo Rosa dos Santos morreu. Não foi um exagero. Não foi um erro. Foi um fuzilamento que é reflexo desse discurso de brutalização de nossas políticas de segurança pública.

Bolsonaro, Moro e Witzel oferecem ao Brasil a paz dos cemitérios.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!