Bolsonaro prevê vitória de Lula. Por Helena Chagas

Lula em lançamento de parceria entre institutos. Reprodução Twitter

PUBLICADO NO PORTAL JORNALISTAS PELA DEMOCRACIA 

Jair Bolsonaro montou num cavalo e, ao lado de um punhado de ministros cavaleiros e amazonas,  desfilou sábado pela Esplanada entre faixas que o autorizavam a dar um golpe, defendiam intervenção militar e agrediam o STF e s CPI da Covid.  No palanque, o presidente repetiu a lengalenga sobre os perigos do voto na urna eletrônica e as chances de fraude na eleição de 2022, e foi explícito na previsão: seu principal  adversário hoje, o ex-presidente Lula, a quem chamou de “canalha”, vai ganhar.

“Se não tivermos voto auditável, esse canalha, pela fraude, ganha as eleições do ano que vem”, disse Bolsonaro. Algum auxiliar leal poderia dizer a ele que vitória de adversário não se prevê nem de brincadeirinha, e que, na verdade, ele está é ajudando Lula a se consolidar como dono de uma vaga certa no segundo turno de 2022. Mais do que isso, está colaborando para que o petista, a quase um ano e meio do pleito, adquira uma aura de vencedor — o que é ótimo para ele.

Na parte sobre a fraude, vai ser difícil a maioria dos brasileiros acreditar. O voto digital vem sendo usado no país há mais de duas décadas, sem qualquer caso confirmado de fraude. Os brasileiros, mesmo os mais pobres, estão acostumados e pegar dinheiro nos caixas eletrônicos e a fazer operações bancárias pelo celular. Confiam no sistema digital e na urna eletrônica. E o que fica, para a maioria, do blablablá de Bolsonaro é isso: está morrendo de medo do Lula.

A conversa de quem prevê uma fraude eleitoral na bola de cristal é risível, e dificilmente vai colar. Alertada, a Justiça Eleitoral já está fazendo uma campanha sobre as maravilhas do voto digital. Os políticos, todos eles eleitos pelo sistema, também estão preventivamente trabalhando por sua manutenção. A tramitação de um projeto de emenda constitucional instituindo o voto impresso na Câmara, patrocinada pelo presidente Arthur Lira,  é apenas uma encenação. Todo mundo sabe que não vai passar.

O que resta do discurso patético de Bolsonaro contra o voto eletrônico é sua previsão da vitória de Lula. Que, aliás, Ciro Gomes está ajudando muito a consolidar nas entrevistas em que bate no petista e diz que de disputará o segundo turno com ele, considerando Bolsonaro fora do jogo. Reforça a aura do petista, que as pesquisas de hoje reforçam, mas que, com tanta  antecedência, não garantem.

De qualquer forma, Lula pode agradecer a Ciro. E o país também: um embate entre Lula e ele será, sem dúvida, muito melhor como perspectiva de futuro para a nação brasileira do que uma decisão entre o atual presidente e o ex.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!