Bolsonaro sabe que seu eleitor é uma besta e faz a demagogia que prometeu não fazer com o Bolsa Família. Por Kiko Nogueira

Ele

O bolsominion é, antes de tudo, uma besta.

Bolsonaro sabe disso.

Daí a desfaçatez com que trata seu curral.

Em sabatina na Record, propôs aumentar o Bolsa Família com recursos provenientes de auditorias que excluam fraudadores do sistema.

“Tem que ser mantido”, disse ele.

“Aquele senhor, aquela senhora, que recebem e não têm como sobreviver, eu acho que até mais do que manter, você tem até que aumentar o Bolsa Família com recursos daqueles que vão sair por fraudes”.

É algo para “olhar com muito carinho”. 

Bonito.

Há um ano, na Festa do Peão Boiadeiro, em Barretos (SP), à vontade, ele declarou que o programa só é necessário para uma minoria e que “não vai ser com caridade que o Brasil vai sair dessa situação crítica”.

“Para ser candidato a presidente tem de falar que vai ampliar o Bolsa Família, então vote em outro candidato. Não vou partir para demagogia e agradar quem quer que seja para buscar voto.”

Em outra ocasião, deu uma demonstração de sua preocupação social.

“No Nordeste, você não consegue encontrar uma pessoa pra trabalhar na tua casa”, falou.

“Meninas grávidas batem na barriga e dizem: esse aqui vai ser uma geladeira. Não querem trabalhar”.

É demagogia, como ele mesmo admite.

Entre os 20% de analfabetos funcionais cheios de ódio que o sustentam, porém, é mais do que isso: é música, é o mito.

Abaixo, o que JB realmente pensa do BF: