Bolsonaro só não destrói o Estado de vez porque depende de votos. Por Luis Felipe Miguel

Publicado originalmente no perfil do autor

Por Luis Felipe Miguel

Bolsonaro assinando decreto que facilita o porte de armas

Para Bolsonaro ser o nosso Pinochet, como tantos de seus apoiadores sonhavam, e implantar o programa ultraliberal em toda a sua radicalidade, teria que destruir o que resta de democracia no Brasil. Quando se depende de voto, por pouco que seja, chega uma hora em que a destruição do Estado e das políticas sociais começa a pesar.

Bolsonaro ziguezagueia entre a necessidade de satisfazer seus grandes eleitores na burguesia e na mídia (voltou hoje a defender o congelamento dos gastos e as privatizações), a necessidade de comprar o Centrão e a necessidade de recompor uma base social. Não existe solução fácil para ele.

Cabe à oposição aproveitar esse momento e expor suas contradições e impossibilidades. Aqui, uma vez mais, a pretensa “frente ampla” expõe seus limites insuperáveis. A “oposição” dos que desejam a volta da fidelidade absoluta aos mantras de Guedes certamente não combina com a oposição que mostra que Bolsonaro é inerentemente incapaz de levar adiante um programa de desenvolvimento, inclusão social e soberania.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!