Bolsonaro, um homem atormentado, colocou os filhos em um labirinto sem saída. Por Moisés Mendes

Bolsonaro e os filhos

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO BLOG DO AUTOR.

Bolsonaro não é um governante, mas apenas um homem atormentado que pensa gerenciar o Brasil pelo Twitter e pelo WhatsApp. Ele e os filhos foram destruídos por um erro primário da política. Atacaram sem parar, desde que a família chegou ao poder, e provocaram guerras que não irão ganhar nunca.

Algumas perguntas que, num ambiente de racionalidade, mereceriam respostas. A primeira: se estavam envolvidos com milícias e se construíram uma fortuna imobiliária suspeita, para falar apenas de dois aspectos da vida complicada que vinham mantendo, por que os Bolsonaros acharam que seriam intocáveis só por terem chegado ao poder?

Se sempre se envolveram em atividades que um dia seriam investigadas, por que os Bolsonaros compraram briga com aliados, com o Ministério Público, com adversários que não conseguirão dobrar, sempre de forma agressiva?

Por que os Bolsonaros, desde o famoso discurso da vitória na Avenida Paulista, em que Bolsonaro ameaça perseguir e eliminar os adversários, não baixaram as armas? Por que desde o início do governo atacam até os generais do primeiro escalão?

Que incapacidade é essa dos Bolsonaros de calibrar o enfrentamento com quem consideram inimigos? Que insegurança move os Bolsonaros?

E aí há outro detalhe importante. Bolsonaro jogou os filhos na guerra. Empurrou Carlucho para o confronto virtual. Transformou o filho vereador no formulador das agressões pelas redes sociais e em seu porta-voz oculto.

Atiçou Eduardo, o outro filho deputado federal, contra inimigos internos e externos e tentou transformá-lo em ajudante do golpe na Venezuela.

Eduardo preparou-se, na última tentativa de golpe, para entrar em Caracas como herói da direita latino-americana, O pai o empurrou para uma guerra de trapalhões.

Bolsonaro também desfruta da capacidade empreendedora do outro filho, o chefe de Queiroz, o filho que abastece, via laranjas, até a conta de Michelle Bolsonaro. Flávio é o filho que faz dinheiro.

O Ministério Público já tem pistas de que a quadrilha em torno de Flávio Bolsonaro era coisa de família. A família dele, a família de Queiroz, as famílias dos milicianos do entorno.

Bolsonaro puxou os filhos na política (ao contrário do que Lula sempre evitou) para tê-los como seus principais pensadores e operadores. No governo, o projeto se materializou com a distribuição de tarefas.

Mas deu tudo errado. Carlucho era competente para disseminar fakenews, mas não para ser propositivo, para vender ideias, por mais furadas que fossem. Era um blefe, ou já teria acionado um plano para salvar a imagem do pai abandonado.

O filho que se apresenta como pretendente ao posto de líder da direita (ou da extrema direita mesmo) da América Latina parece ser o mais perigoso de todos. Mas é também o mais tomado pelo autoengano, pela ilusão de que lidera alguma coisa, incluindo a ideia mais recente de que o Brasil deve ter a bomba atômica.

E o filho mais velho, o negociante, já é um zumbi no Senado. Antes mesmo das conclusões do Ministério Público, que podem levar meses, está destroçado politicamente como chefe de uma gangue que não só saqueava recursos públicos via assessores laranjas, mas lavava dinheiro com imóveis e outros rolos.

Bolsonaro meteu os filhos numa fria. Podem dizer que todos são adultos e homens públicos e sabiam o que estavam fazendo. Mas foi o pai quem puxou a família para o seu delírio extremista de que governaria com o lastro dos militares perseguindo inimigos, minorias, professores, artistas, estudantes, índios, enquanto mantinham as conexões com os milicianos.

Não há saída para Bolsonaro nem para os filhos, que poderão sobreviver como políticos (a classe média reaça e a ignorância por ela manobrada têm eleitores de sobra para eles) e ainda manter o aparelhamento de setores do governo. Mas nunca mais serão como antes.

Os Bolsonaros venceram a eleição, mas perderão todas as guerras que provocaram, as reais e também as imaginárias.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!