Bolsonaro visa formar ignorantes para manter sua base de apoio

Candidatos em dia de provas do Enem (Foto: divulgação)

PUBLICADO NO SITE DIPLOMATIQUE

Por Raphael Silva Fagundes

“O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais”.

Bertolt Brecht

Ignorantes são aqueles que não procuram a sabedoria “porque acreditam que a possuem”. O “verdadeiro filósofo, amante da sabedoria, procura aproximar-se dela perseguindo-a durante toda sua vida”, diz o professor Nuccio Ordine.[1]

Nas últimas eleições, a maioria dos que votaram preferiram a ignorância à sabedoria. Sim, porque o presidente eleito não visa cancelar a política de corte nos investimentos em educação e ainda prioriza a educação técnica. Por isso a luta contra os intelectuais, professores e cientistas.

Vale aqui citar um discurso de Victor Hugo na Assembleia Constituinte de 10 de novembro de 1848, quando o governo havia proposto o corte de investimentos em educação e em cultura de um modo geral: “Qual é o perigo da situação atual? A ignorância. A ignorância, muito mais que a miséria… É num momento semelhante, diante de um perigo como esse, que se pensa em atacar, em mutilar, em sucatear todas essas instituições que têm como objetivo específico perseguir, combater e destruir a ignorância!”.

O governo quer radicalizar um modelo de educação utilitarista que já vem sendo feito, mas desta vez com uma dedicação maior à ignorância. Por quê? Porque quanto mais prisioneiros da necessidade existir, indivíduos que reduzem o pensar à realidade imediata, o governo pode sustentar o “fanatismo delirante” que criou sua base eleitoral.

O escritor Eugène Ionesco chamou de “rinoceronites” a doença que acometeu um vilarejo da França em seu romance Os rinocerontes. As pessoas viviam ocupadas, ansiosas, voltadas para funções práticas menosprezando tudo que fosse artístico, filosófico etc. Pois, desta maneira, “ao chamado de um doido ou demônio qualquer, podem se deixar levar por fanatismo delirante”.

Assim o pior inimigo do governo atual não é apenas a Lei Rouanet, mas qualquer espécie de incentivo cultural. Para ele, arte, livros e museus não são úteis, todavia, a ignorância sim. Para eles o Brasil não precisa de livros, música ou teatros, mas de ignorância, trabalhadores manuais que não pensem.

“Não, seus imbecis, não, seus cretinos e papudos, um livro não faz uma macarronada; um romance não é um par de botas sem costuras; um soneto não é um jorro em fluxo contínuo…”, afirma Théophile Gautier criticando o utilitarismo da modernidade. No fim o escritor destaca que o belo é visto como inútil para estes seres humanos que a modernidade vomitou e lembra que o “lugar mais útil de uma casa é a latrina”.

Foi a inutilidade que promoveu o progresso científico. Maxwell, Hertz, Newton, Einstein e outros cientistas, quando desenvolveram suas descobertas, não faziam ideia da utilidade prática. Ramanujan tinha apenas o desejo de resolver problemas puramente matemáticos sem nenhuma aplicação no mundo real.

O modelo educacional que se quer colocar em prática, de pouco investimento e apenas técnico, tem o objetivo de produzir trabalhadores alienados em um momento em que se busca retirar direitos. Além disso, cria-se trabalhadores desinteressados nos efeitos sociais do que produzem impedindo que uma força contrária à industrialização tóxica, ao desmatamento e à destruição de comunidades em nome do lucro, ganhe musculatura. O pensamento crítico deve ficar apenas para os filósofos e intelectuais, jamais podendo alcançar os trabalhadores. O maior medo do governo é ver o pensamento sair dos muros da universidade.

O presidente está preocupado com a erotização da educação e com a ideologia de esquerda nas universidades – preocupações inventadas para legitimar a diminuição dos investimentos em pesquisas além de planejar a exclusão da classe trabalhadora à reflexão sólida, corroendo o interesse do brasileiro pelo ensino superior que vinha aumentando nos últimos anos. A educação deve pertencer a uma pequena ilha de letrados, ou a uma pequena elite intelectual, como disse o ministro Ricardo Vellez.

Fundar-se-á portanto escolas formadoras de analfabetos políticos eficientes. Pessoas que defenderão a verdade imposta e jamais se interessarão em buscá-la incessantemente como um sábio. Por causa disso, prefiro a mão esquerda de Deus, como dizia Lessing: “Se Deus guardasse na mão direita toda a verdade e na mão esquerda somente o desejo ardente pela verdade, e me dissesse: ‘Escolha!’, mesmo arriscando a me enganar para sempre e por toda a eternidade, eu me inclinaria humildemente para a sua mão esquerda e diria: ‘Pai, dai-me esta mão; a verdade absoluta pertence somente a ti’”.

*Raphael Silva Fagundes é doutor em História Política na Uerj e professor da rede municipal do Rio de Janeiro e de Itaguaí.

 

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!