Branco dois anos atrás, deputado bolsonarista vira negro após implantação de cotas raciais nas eleições

Capitão Assumção: “pardo”

Bolsonarista declarado, o deputado estadual Capitão Assumção (Patriotas), do Espírito Santo, se autodeclarou branco nas duas últimas eleições que disputou.

No registro da candidatura à vaga de prefeito de Vitória neste ano houve uma reviravolta. Capitão Assumção afirmou ser pardo, classificação racial que o insere entre os negros.

A razão da súbita mudança racial do parlamentar parece ser uma só. Dinheiro. Grana extra que virá com a nova regra de repasse dos recursos do fundo eleitoral, que a partir destas eleições será proporcional à quantidade de candidatos negros e negras.

Por uma fatia maior do bolo financeiro, o político de pele clara e cabelos lisos, que já posou com bandeira de movimento ultranacionalista ucraniano, reivindica uma negritude inexistente.

Esta é mais uma página na súmula dos desserviços prestados por Assumção à sociedade capixaba.

No ano passado, ele usou a tribuna da Assembleia Legislativa para encomendar a morte do autor de um homicídio que causara muita comoção entre a população capixaba.

“Quero ver quem vai correr atrás para prender esse vagabundo. (Eu tenho) R$ 10 mil reais aqui do meu bolso pra quem mandar matar esse vagabundo, isso não merece tá vivo não. […] Não vale dar onde ele está localizado não, tem que entregar o cara morto, aí eu pago”.

Menos de um mês após o discurso abominável, o deputado voltou a usar o púlpito da Assembleia para incitar a violência, dessa vez direcionada aos pichadores da Grande Vitória.

“Tem que ter mais firmeza com esses bandidos, pichou, tem que tomar pancada para aprender. Leva num lugar escondido onde não tem ninguém filmando e dá umas cacetadas na cara desses bandidos”, afirmou o deputado na época em que era branco.

Fiel à liturgia bolsonarista na pandemia, Assumção provocou tumulto em hospital e espalhou desinformação sobre o tratamento contra a Covid-19.

Junto com outros parlamentares, ele invadiu um hospital referência no atendimento aos pacientes com Covid-19, sob pretexto de verificar a ocupação dos leitos.

No início do mês passado, o deputado liderou um grupo que “inaugurou” um outdoor com a foto de Jair Bolsonaro e texto alusivo à suposta eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19.

A Vigilância Sanitária de Vitória determinou que o outdoor, colocado em frente a uma farmácia, fosse retirado.

Até o momento, Assumção não recebeu nenhuma punição por essas atitudes.

Com tanta impunidade, não espanta que o deputado se passe por negro com o descaramento típico de quem considera a pandemia uma gripezinha.

A metamorfose do Capitão Assumção no TRE

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!