O que se faz no Brasil com R$ 400 por mês? Por Sergio Takemoto

Auxílio Brasil
O Auxílio Brasil será pago a partir do dia 17 de novembro.
CAIO ROCHA/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Por Sergio Takemoto*

O que é possível se fazer com uma “renda” de R$ 400 por mês? Em Florianópolis, por exemplo, o valor não paga nem a cesta básica. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o custo dos alimentos essenciais chegou a R$ 700,69 na capital catarinense.

Tomando como referência o preço da cesta básica em Florianópolis, o mais alto registrado em outubro, o Dieese calcula que o salário-mínimo necessário para os brasileiros deveria ser equivalente a R$ 5.886,50. O valor atual é R$ 1.100; ou seja, cinco vezes menor que o indicado. Apesar disso e da mais dramática situação econômica vivenciada pelos brasileiros, o governo federal estabeleceu o limite de R$ 400 mensais ao programa que substituirá o Bolsa Família e o auxílio emergencial.

Para piorar ainda mais o cenário, o Executivo já avisou que muitas famílias em situação de pobreza e extrema pobreza poderão receber menos R$ 100 neste mês de novembro por conta da indefinição orçamentária para o pagamento do “novo” Auxílio Brasil. Menos de R$ 100 por mês!

Leia também:

1 – Aluno da UnB é denunciado por gesto supremacista

2 – Saiba por que Guedes tem medo de ir ao supermercado

3 – Moro se arma para a guerrilha digital contra o presidente

Esta indefinição reflete, mais uma vez, a falta de compromisso do atual governo com o social. Mesmo com o avanço da pobreza e a falta de investimentos para a geração sustentável de emprego e renda no país, o Executivo desmonta o Bolsa Família: política de inclusão social criada em 2003, que beneficiou milhões de brasileiros durante quase duas décadas, com a efetiva participação dos empregados da Caixa Econômica Federal, operadora do programa.

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre o Bolsa Família mostrou que, em 2017, mais de 3,4 milhões de pessoas haviam saído da extrema pobreza por causa do programa. Outros 3,2 milhões de brasileiros haviam superado a linha da pobreza.

O Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) foi uma das instituições a criticar a decisão do governo de extinguir o Bolsa Família: “Fica explícito o caráter eleitoreiro do ‘novo’ programa de transferência de renda, anunciado com ‘promessas de ampliação’ sem sequer ter indicada a fonte fixa de recursos orçamentários para sua execução”.

O Bolsa Família e o auxílio emergencial foram encerrados com a promessa de que o Auxílio Brasil começará a ser pago a partir deste mês e só até dezembro de 2022. Para isso, o governo ainda precisa assegurar a fonte dos recursos e conta com a aprovação, pelo Congresso Nacional, da Proposta de Emenda à Constituição 23 — a chamada “PEC dos Precatórios”.

A proposição foi aprovada pela Câmara dos Deputados. Contudo, ainda depende de votação no Senado, em dois turnos.

Com o fim do auxílio emergencial, cerca de 38 milhões de pessoas que recebiam o benefício deverão ficar totalmente desassistidas, fora do novo programa do governo. Desde o início da pandemia, a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) defendia a manutenção do valor do auxílio em no mínimo R$ 600, como inicialmente aprovado pelo Congresso.

Com relação à operacionalização do Auxílio Brasil, ela será estendida a outras instituições financeiras federais, diferentemente do Bolsa Família, em que a Caixa era o agente operador. Essa é mais uma forma do governo promover o esvaziamento do papel social da Caixa Econômica.

No entendimento da Fenae, duas questões são fundamentais: defender que a população em situação de vulnerabilidade receba proteção social digna do Estado e defender também a Caixa como operadora de políticas públicas. Estes são pilares imprescindíveis para a real redução das desigualdades sociais no nosso Brasil.

*Sergio Takemoto é presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae)

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link