Bruno Covas não é velho, mas é velhaco. Por Fernando Brito

Bruno Covas. Foto: Reprodução/Tijolaço

Publicado originalmente no blog Tijolaço

POR FERNANDO BRITO

Não sendo paulistano, só de longe via o senhor Bruno Covas e, confesso, talvez pela regra atribuída a Otto Lara Resende, tinha-lhe até alguma simpatia, à parte da política.

Para os mais velhos, dói ver alguém jovem sob a ameaça de uma doença mortal, porque é uma inversão da ordem da vida que constrange o peito.

Está bem que o “dize-me com quem andas” já dava pistas, mas é bom errar pelo otimismo que acertar pelas torpes companhias do prefeito.

Mas o estelionato eleitoral que ele cometeu é destas coisas que nem toda a boa vontade do mundo pode perdoar.

É notório que Covas teve o apoio dos mais idosos – 61% entre os de 60 anos ou mais – em nível muito superior a Guilherme Boulos, que liderou entre os mais jovens.

E 25 dias depois de ter-lhes amealhado o voto, pratica a crueldade de retirar das pessoas entre 60 e 65 anos a gratuidade no transporte municipal, em dobradinha do mal com o amigo oculto João Dória, que estendeu o corte para os ônibus intermunicipais, trens e metrô.

Para muitas destas pessoas isso significa uma perda de renda de 6, 7%, ou até mais, considerados aqueles que, já sem emprego formal que lhes garanta o salário mínimo, fazem pequeno comércio de rua ou outras atividades informais.

A desculpa de que isso se deve à “nova idade mínima da Previdência Social” é, francamente, uma das coisas mais perversas que se poderia dizer: “Já que o Guedes te tirou, eu vou tirar também”.

E fez isso sancionando, na velocidade da luz, o obsceno aumento de 46% nos seus próprios vencimentos como prefeito, que passaram a R$ 35,4 mil, replicados em cascata para secretários municipais, assessores, etc…

Nem é preciso dizer o que seria se fosse Guilherme Boulos a aprovar um “pancadão” nos vencimentos que teria como prefeito.

Bruno Covas mostrou mais que ser um conservador, um elitista, uma pessoa sem sensibilidade social alguma.

Provou merecer uma versão da frase de Ulysses Guimarães: não é velho, mas é velhaco.