Cada vez mais candidato e menos juiz, Moro enterra Lava Jato. Por Helena Chagas

Publicado em Os Divergentes

Lula perante Moro

POR HELENA CHAGAS

O ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro entrou de cabeça neste fim de semana, em seguidas entrevistas, na defesa do que resta da Lava Jato. A PGR começou a questionar procedimentos de Curitiba durante a operação, que vão da inclusão de nomes “camuflados” de políticos em denúncias a suspeitas de uma colaboração informal e não autorizada com o FBI, passando por supostas tentativas de investigar autoridades do STF sigilosamente. Moro sabe que, se a Lava Jato for desmoralizada em função de seus métodos, perderá seu principal legado. O que o ex-ministro parece não saber é que, quanto mais entra nesse debate, mais político e menos juiz vai se tornando – o que  pode ser muito ruim para ele e para a Lava Jato.

Por mais paradoxal que pareça, se Moro quisesse defender a Lava Jato, deveria, ao contrário, tentar despolitizá-la. Do contrário, ficará tudo resumido a uma briga de facções políticas – como, aliás, já está acontecendo.

O ex-juiz pisou numa casca de banana neste domingo, na Globonews, quando se referiu à audiência de interrogatório do ex-presidente Lula como um “ringue com Lula”. É inadmissível, pelos padrões jurídicos, considerar normal que um juiz se refira a um procedimento que executou junto a um réu como a um “ringue”.  Mesmo que o juiz não seja mais juiz, e seja agora um pré-candidato à presidência da República que quer polarizar com aquele que condenou.

STF VAI JULGAR IMPARCIALIDADE DE MORO

Só que as coisas não são tão simples. Moro só chegou onde chegou em função de seu trabalho como juiz da Lava Jato. Quando ele mesmo politiza suas ações naquela época abre um enorme flanco aos questionamentos judiciais à sua imparcialidade. Quando o STF retomar o julgamento de um recurso apresentado pela defesa de Lula alegando parcialidade na condenação do ex-presidente, não terá mais, do outro lado da ação, um juiz. E nem um ministro de Estado. Terá um candidato a candidato a presidente – e será muito difícil passar a ideia de que a Suprema Corte do país acredita em sua parcialidade, ainda que passada.

É assim que pensa boa parte dos políticos de Brasília, que assustaram-se na semana passada com aquele que pode ser o suspiro final da Lava Jato contra o establishment, a operação contra o ex-governador e senador José Serra. Foi, na interpretação geral, uma maneira de a Lava Jato tentar mostrar que não morreu, e muita gente voltou a ficar sem dormir na capital, com medo de a campainha tocar de madrugada. Por isso, a estratégia desses políticos é botar lenha na fogueira da politização, que pode beneficiar muita gente mais além de Lula.

Assim devem ser lidas as palavras simpáticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a respeito de Moro, na mesma Globonews. Além de elogiar sua atuação no Ministério da Justiça, Maia jogou uma pitada de politização no confronto entre PGR e Lava jato e, sobretudo, salgou Moro, considerando-o um candidato “fortíssimo” em 2022, “com muitas chances de chegar ao segundo turno”. Na hora em que seu personagem maior vira um “candidato fortíssimo” a presidente, a Lava Jato acabou de vez.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!