Caetano é vítima de uma infâmia. Por Gilberto Maringoni

Caetano Veloso e Stalin. Foto: Wikimedia Commons

Publicado originalmente no perfil de Facebook do autor

CAETANO É VÍTIMA DE UMA INFÂMIA

Caetano Veloso está sendo usado numa campanha de interdição do debate e de cancelamento, como virou moda falar.

Caetano é acusado de “stalinista” por gente de má-fé extrema. Caetano não é e nunca foi stalinista, até por ser anacrônico classificar alguém como tal, fora do contexto histórico em que viveu Josef Stalin. Pode-se debater a vida e o tempo do líder comunista à exaustão. Só penso ser pauta para lá de lateral no Brasil de hoje, a não ser para uma bolha apartada das urgências da vida.

FALEMOS DE CAETANO. A polêmica começou por ele recusar o epíteto de “liberalóide” em uma entrevista concedida a Pedro Bial. O que Caetano faz é – genericamente – mencionar experiências socialistas que passou a respeitar. Genericamente. Na entrevista, Caetano cita Jones Manoel e remete ao livro “Contra-história do liberalismo”, de Domenico Losurdo. Ponto.

Losurdo foi um sólido intelectual comunista italiano, com pesquisas nos campos de história, política e filosofia.

ACONTECE QUE, ENTRE OUTROS, Losurdo escreveu uma importante avaliação histórica sobre Josef Stálin (1878-1953). Como o autor italiano se recusa a fazer o terraplanismo usual contra o georgiano e usa a métrica da honestidade intelectual para avaliar a História, logo Losurdo é stalinista (Ninguém entre seus detratores se lembra que Losurdo critica firmemente os processos de Moscou e o terror. Mas também examina os inegáveis avanços sociais da URSS na primeira metade do século XX). Não importa, o rótulo é grudento.

Pontuemos aqui: Stálin não estava em pauta na conversa de Caetano. Mas quem ele pensa que engana? Caetano disse não ser liberalóide, mas será que ninguém percebe que isso está a um passo de defender execuções, matanças a granel e uma ditadura feroz? Até os tocos queimados do Pantanal sabem disso.

A fieira fica assim: Caetano fala de Jones que fala de Losurdo que – entre dezenas de assuntos – fala de Stálin. Logo, todo mundo é stalinista! Lacrou!

O PROBLEMA PARA OS QUE ATACAM Caetano-Jones-Losurdo é que defender o liberalismo real é muito complicado. Veja o pacote que segue no mesmo embrulho: racismo, trabalho escravo, Paulo Guedes, queimadas na Amazônia, Trump, Líbia, Afeganistão, Iraque, Guantanamo, crise de 2008, pandemia etc. etc. O liberalismo traz consigo uma imensa zona cinza, um kit gray. Pesado. É mais fácil criar um espantalho e inverter a pauta.

E a inversão se dá acusando Caetano de ser partidário dos processos de Moscou, dos gulags e da matança de 20 milhões de comunistas russos (não importa que não existissem tantos seguidores do marxismo-leninismo assim). Caetano revelou-se vil ao revelar que seu ídolo é alguém comparável a Hitler….

Pronto, está criada a rota alucinógena da lacração e do cancelamento do debate. Sigamos, nós grande mídia, a defender cortes de gastos, austeridade, desmonte do Estado etc. etc. Acabou o ruído. Quem daqui por diante atacar o liberalismo já tem um nome: stalinista! Stalinista de Ipanema!

Não contavam com nossa astúcia!

(DISCUTIR R$ 600 NA MÃO DO POVO até o fim da pandemia, nem pensar! Vamos lacrar em cima de Stálin, que é muito mais negócio)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!