Cambridge ergue escultura de Paulo Freire como símbolo de tolerância em tempos de guerra cultural

Publicado na BBC News

Paulo Freire
Escultura de Paulo Freire em Cambridge

Por Hazel Shearing

Paulo Freire pode não ser muito conhecido no Reino Unido, mas é um dos pensadores mais influentes da educação.

Seus argumentos para o pensamento crítico em escolas e universidades moldaram o ensino muito além do Brasil, onde ele nasceu há 100 anos.

Agora, um grupo de importantes acadêmicos da Universidade de Cambridge instalou uma escultura de bronze dele na biblioteca da Faculdade de Educação, ao sul do centro da cidade, como um símbolo de “tolerância e diálogo” em um momento de “guerras culturais” no campus.

Mas ele morreu no final dos anos 1990, então por que o monumento está sendo levantado agora?

‘Atacando tudo’

Décadas depois da prisão de Paulo Freire durante a ditadura militar no Brasil, seu ensino está sendo atacado novamente no Brasil.

O presidente de extrema direita Jair Bolsonaro chegou a ameaçar “entrar no Ministério da Educação com um lança-chamas” para remover todos os vestígios de seus ensinamentos.

“No Brasil, nossa situação atual é muito, muito difícil”, diz Alex Trindade, um dos alunos brasileiros que tiveram a ideia da escultura.

“O Bolsonaro está atacando tudo relacionado à universidade pública e às ideias de Freire”.

“A ideia é não permitir que professores ou escolas discutam política ou gênero ou qualquer coisa relacionada a isso, que dê um jeito para as pessoas desenvolverem suas próprias ideias”.

Em seu escritório, cercado por montanhas de livros educacionais e uma coleção impressionante de plantas, a diretora do corpo docente de Cambridge, Susan Robertson, diz que a ênfase de Freire na importância de “ouvir, tolerar e dialogar” tornou-se ainda mais importante no contexto da “cultura do cancelamento”.

A prática de “cancelar” pessoas porque suas opiniões podem ser ofensivas ou de negar-lhes uma plataforma para falar se tornou um assunto de debate acalorado não apenas nas redes sociais, mas também nos campi.

Neste mês, a Cambridge Union Society baniu o historiador de arte Andrew Graham-Dixon depois que ele ofendeu estudantes ao se passar por Adolf Hitler, durante um debate sobre se existia “bom gosto”.

Posteriormente, o presidente da sociedade disse que uma “lista negra” de palestrantes convidados havia sido elaborada – embora, mais tarde, ele tenha dito que havia sido mal interpretado.

‘Momento horrível’

O ator John Cleese cancelou uma aparição na Universidade de Cambridge depois que o palestrante foi banido por imitar Hitler.

Esta semana – depois que a professora Kathleen Stock, acusada de transfobia por suas opiniões sobre identidade de gênero, deixou seu cargo na Universidade de Sussex, dizendo que passou por “um momento horrível” – a ministra da Igualdade, Kemi Badenoch, disse à Câmara do Reino Unido que Cleese estava “correto” ao destacar a importância da liberdade de expressão e de crença nas universidades.

O Departamento de Educação optou por não comentar este caso.

Para a professora Robertson, todas as instâncias de discurso consideradas ofensivas devem ser consideradas, mas, em geral, cancelar a cultura “bloqueia as possibilidades de ouvir um ao outro e, então, trabalhar para a frente”.

“Como podemos realmente falar de questões difíceis sobre as quais podemos ter pontos de vista diferentes?” ela pergunta.

“São essas qualidades que [Freire] diria que são absolutamente necessárias para conseguirmos sair de algumas posições polêmicas bastante desafiadoras.”

Mas a escultura também é um símbolo de “resistência aos ataques da extrema direita à educação”.

Apontando para “ataques agressivos” a educadores em países como o Brasil, Robertson alerta que também há problemas no Reino Unido – embora haja “claramente uma diferença”.

“O que vemos aqui, no entanto, é um posicionamento conscientemente simplista demais de acadêmicos e educadores como distantes e fora de alcance”, diz ela.

E os esforços para “descolonizar” o currículo são um exemplo.

Ataque maldoso

Este tópico atingiu o ponto de ebulição em várias instituições, incluindo Cambridge.

Em 2017, um ex-aluno foi alvo de ataques maldosos nas redes sociais por pedir que mais autores pertencentes a minorias étnicas fossem adicionados ao seu curso de inglês.

Sua foto apareceu na primeira página do Daily Telegraph, com o título: “Estudante força Cambridge a dispensar autores brancos”.

Uma correção foi emitida posteriormente.

A gota

Os esforços para tornar o currículo mais inclusivo também levaram a mídia a retratar os acadêmicos como “perigosos, ativistas de esquerda com a intenção de ‘cancelar’ textos-chave ou policiamento do pensamento de funcionários e alunos”, diz a professora Robertson.

“Acusações semelhantes às vezes são feitas aos próprios alunos, por levantarem preocupações sobre questões como mudança climática ou identidade de gênero”, diz ela.

“São questões complicadas, que exigem reflexão cuidadosa, discussões abertas e respeitosas e o reconhecimento de diferentes pontos de vista”.

Michael Gove, enquanto era secretário educacional, dublou o estabelecimento educacional de The Blob, uma referência ao filme dos anos 1950 sobre uma massa alienígena semelhante a uma ameba. Foi “um esforço para ridicularizar sindicatos, greves de professores e certos estilos de ensino”, diz o Prof Robertson .

“Descrever professores ou alunos como histéricos e hipersensíveis não apenas fecha o debate, mas também justifica implicitamente um conjunto estreito e imutável de pontos de vista sobre o que a educação deveria ser”, acrescenta ela.

Seu corpo docente diz que há um “alerta sobre como as universidades e escolas estão sendo alvo de debates frequentemente fabricados pela ‘guerra cultural’, principalmente na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos”.

E embora sejam “menos violentos” do que em outros países, “muitos usam uma retórica igualmente tóxica para promover abordagens anti-progressistas à educação”.

Mas Hugo Williams, que preside a Associação Conservadora da Universidade de Cambridge, diz que não é “justo” comparar os ataques de extrema direita às universidades com “as intervenções de políticos e jornalistas preocupados com a liberdade de expressão e liberdade acadêmica”.

“Não creio, neste último caso, que os políticos e jornalistas tenham como alvo as universidades”, diz ele.

“Em vez disso, eles estão chamando a atenção para questões que muitas vezes já são preocupações de estudantes e acadêmicos. Uma defesa robusta das políticas que estão sendo criticadas na mídia seria uma resposta mais confiável do que reclamações sobre ser ‘alvo'”.

O Sr. Williams está “feliz que a [Cambridge] Union [Society] continuará sendo um lugar onde os alunos podem ouvir opiniões desafiadoras e controversas”.

No ano passado, a universidade votou contra as regras propostas que exigiriam que funcionários, alunos e palestrantes visitantes permanecessem “respeitosos” com as opiniões e “identidades” dos outros.

Eles “teriam sido prejudiciais à liberdade acadêmica”, diz Williams.

“Muitas pessoas se sentiram encorajadas pelo fato de que a esmagadora maioria dos acadêmicos em Cambridge ainda está disposta a defender a liberdade acadêmica, embora em votação secreta”, acrescenta.

O ator Stephen Fry também estava entre os preocupados com a ameaça à liberdade de expressão, dizendo que os apelos por “respeito” podem ter sido bem intencionados, mas as pessoas não podem “exigir” que suas opiniões sejam respeitadas.

Questões sobre liberdade de expressão, liberdade de escolha e o que deve e não deve ser ensinado em universidades e escolas estão alimentando debates em todo o mundo.

Nos Estados Unidos, as escolas se tornaram um campo de batalha, com professores perseguidos por causa das regras de Covid e protestos de alguns pais por causa do ensino da teoria racial crítica.

As próprias estátuas têm sido um símbolo chave nos debates sobre o legado do colonialismo nos últimos anos, especialmente desde o assassinato de George Floyd e as manifestações do movimento Black Lives Matter no ano passado.

Muitas foram derrubadas – inclusive no Reino Unido, onde uma estátua do traficante de escravos Edward Colston foi lançada no porto de Bristol.

Em Cambridge, um galo de bronze saqueado em uma operação britânica foi retirado da exposição no Jesus College, em 2016, e retornou à Nigéria no mês passado.

Mas na faculdade, a escultura de Paulo Freire está sendo erguida agora.

Inspirar pessoas

Trindade diz que ele e seus colegas ativistas estudantis brasileiros esperavam inicialmente que isso aumentasse a conscientização sobre os ataques à educação no Brasil e simbolizasse a importância do acesso à educação.

Mas agora ele tem um terceiro objetivo – “inspirar” as pessoas, especialmente de lugares como a América Latina, a saber “que podem fazer mais” quando se trata de formar práticas de educação em um momento tão crucial.

“Eles podem se perceber como nós nos percebemos – não apenas como acadêmicos individuais, mas como responsáveis”, diz ele.

“Você pode se transformar.”

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link