A camiseta da Febem e a eterna glamourização da miséria pelo “mundo fashion”. Por Sacramento

Camiseta da Febem “de grife”

Das frivolidades do munda da moda, talvez a mais sem-vergonha seja a mania de usar desgraças sociais como fonte da inspiração.

A última grife a cometer esse deslize foi “A Mulher do Padre”, com sua camiseta da antiga Febem, atual Fundação Casa.

A roupa, com a marca da instituição destinada a abrigar adolescentes infratores, provocou polêmica nas redes sociais depois que internautas compartilharam fotos da camiseta, vendida a 96 reais.

Diante dos protestos, com referências ao histórico de maus-tratos e rebeliões na antiga Febem e na atual Fundação Casa, assim como em unidades similares em outros estados, a marca AMP retirou a peça das lojas e postou um pedido de desculpas no Facebook.

“A AMP vem se desculpar pela inclusão de uma camiseta com logo da extinta Febem na sua linha LOST&FOUND. A LOST&FOUND é uma marca de camisetas de uniformes de companhias aéreas, instituições, concertos musicais e muitas outras que remetem a um passado distante. Consideramos que foi um erro a colocação de uma marca como a da Febem nessa linha, retiramos as camisetas imediatamente das lojas, e pedimos desculpas a todos.”

O “passado distante” citado na nota se refere ao tempo, mas no caso da camisa da Febem há também distâncias sociais, pois o perfil dos usuários da grife é bem diferente dos jovens que frequentariam a instituição homenageada.

Segundo uma pesquisa do Ipea divulgada em 2015, dos adolescentes que cumpriam pena na época 66% eram de famílias pobres, 51% não frequentavam escola na época do delito e 60% eram negros.

São dados que sugerem um abismo entre o mundo dos criadores e consumidores da AMP e a realidade social dos adolescentes em conflito com a lei.

Sem histórias sofridas de familiares ou amigos próximos passadas nas unidades de internação, fica fácil criar ou usar uma peça com o nome “Febem” estampado, pois aquelas cinco letras não evocam sentimentos de dor, exclusão e estigma.

Muito pelo contrário.

Palavras como “febem”, “favela” (estampada em uma camiseta da Osklen, sobre a qual escrevi aqui) ou figuras de escravas negras (com os usados em roupas da Maria Filó, também assunto de um texto meu) são glamourizadas e utilizadas para vender roupas com pretenso espírito transgressor.

Ao utilizá-las, a principal mensagem que estas grifes passam é que são apenas elementos da cultura do país, e não símbolos de problemas que precisam ser resolvidos ou que deixaram marcas dolorosas.

Questões sociais como o envolvimento de crianças e adolescentes com o crime ou a existência de favelas somente serão solucionadas por meio de políticas públicas robustas.

Dependem, também, do olhar sensível da população para esses problemas, porque é ela quem elege os políticos que decidirão as prioridades a serem resolvidas.

Deixar de romantizar a pobreza, a criminalidade, a escravidão negra e outras mazelas faz parte deste exercício de sensibilização. Quem sabe um dia esta prática vire tendência no mundo da moda.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube