Campanha arrecada recursos para documentário sobre atuação da mulher na política. Por Hylda Cavalcanti

Bela e as mulheres que estão na luta: “Com você, ando melhor” (foto Sul 21)

Publicado originalmente na Rede Brasil Atual:

Termina na próxima segunda-feira (12) a campanha para arrecadação de fundos pela internet para o documentário intitulado Me Farei Ouvir, sobre a participação e representatividade das mulheres na política brasileiraO filme pretende mostrar as trajetórias das mulheres nas campanhas eleitorais e nos cargos de representatividade, sem qualquer recorte partidário e ideológico. Está sendo produzido por Bianca Novais, Flora Egécia, Dandara Lima e Bárbara Rodarte, quatro brasilienses que pretendem abordar questões como sub-representação, Lei de Cotas e urgência da paridade de gênero. Sobretudo, para servir de alerta nas eleições, a partir do próximo ano.

Programado para ser realizado de forma independente, o projeto está sendo definido, conforme as organizadoras, como  um “grito de resistência e esperança em defesa da paridade de gênero e da promoção de mais mulheres na política”.

O objetivo é promover um debate necessário no país: as mulheres representam hoje mais de 50% da população e consistem em 52% do eleitorado. No entanto, sua participação nas Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e no Congresso Nacional, além dos cargos no Executivo, continua sendo muito pequena.

Para piorar ainda mais esse quadro, um projeto que conta com o aval do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem em suas entrelinhas a tentativa de reduzir ou acabar com a cota exigida aos partidos para candidaturas femininas dentro de uma nova reforma política.

Por ser uma iniciativa sem fins lucrativos e ou recursos públicos, as realizadoras estão com financiamento coletivo aberto até 12 de agosto. A ideia inicial, que era mostrar a dificuldade de as mulheres se elegerem, terminou sendo ampliada como forma de combater qualquer retrocesso na legislação sobre cotas para as candidaturas femininas.

O grupo destaca os dados atuais, que mostram que dentre os 513 membros da Câmara dos Deputados, só 77 são mulheres. Destas, apenas 13 são negras e só uma é indígena, números desproporcionais em relação ao universo feminino existente no país.

As responsáveis pelo projeto são Bianca Novais e Flora Egécia, do Estúdio Cajuína, e Dandara Lima e Bárbara Rodarte, da Düo Photo.Project. Bianca e Flora têm no currículo a realização de um financiamento coletivo de sucesso para o filme Das Raízes às Pontas (2015) – vencedor do júri popular do 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Já Dandara e Bárbara trazem a experiência de atuação em campanhas políticas desde 2012.

Além do currículo das próprias autoras, também chama a atenção o engajamento das madrinhas do filme. Uma lista formada por pessoas como a atriz e cantora Clarice Falcão, a escritora e ativista Nana Queiroz, a empresária e presidenta do Grupo de Mulheres do Brasil, Janete Vaz, a artista plástica Camila Soato e a cineasta e youtuber sobre maternidade Helen Ramos. Assim como organizações em defesa das mulheres como a União Brasileira de Mulheres (UBM), a ONG Artemis e o grupo de advogadas ativistas Themis também apoiam a iniciativa.

O orçamento para o filme está estipulado em R$ 87 mil. Se o valor não for alcançado até segunda-feira (12), os recursos doados serão devolvidos aos respectivos doadores. A participação de todos que puderem contribuir consiste numa importante ação de conscientização e alerta para esse quadro e para a melhoria da situação das mulheres no país.

Confira a campanha com a chamada para o projeto

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!