Campanha internacional sugere nome de Paulo Freire para um dos prédios da Columbia University

Paulo Freire. Foto: Reprodução/Nova Escola

Publicado originalmente no site Viomundo

O Teachers College (TC), faculdade de educação da Columbia University, nos Estados Unidos, decidiu remover o nome de Edward Thorndike de um dos prédios da instituição.

Thorndike, influente no campo de psicologia educacional e comportamental, foi um importante psicólogo e professor do TC .

Porém, uma revisão recente de seus textos demonstrou que ele também defendia ideias e conceitos racistas, machistas, anti-semitas e eugênicos.

Em função disso, a faculdade vai renomear em breve o prédio.

Alunos e professores brasileiros do TC resolveram  sugerir à direção que o prédio seja o Paulo Freire Hall.

Neste domingo, 26-07, eles enviarão a carta (em português está abaixo da versão em inglês) ao conselho de diretores do Teachers College.

Nela, listam os motivos pelos quais a maior faculdade de educação dos EUA deveria prestar essa homenagem a um dos maiores intelectuais da história da educação.

Caso deseje co-assinar a carta de apoio, clique aqui.  A assinatura deve ser feita no final do formulário.

Letter of Support: The Paulo Freire Hall at Teachers College, Columbia University
New York, July 23rd, 2020

TO:

Board of Trustees of Columbia University Teachers College
William D. Rueckert, Chair
Leslie Morse Nelson, Vice-Chair
Thomas Bailey, President, Teachers College

RE: PAULO FREIRE HALL AT TEACHERS COLLEGE, COLUMBIA UNIVERSITY

Dear members of the Board of Trustees of Teachers College, Columbia University,

First and foremost, we want to thank you for the courageous decision of removing Edward Thorndike’s name from one of our halls. His eugenic, racist, anti-Semitic, and sexist ideas were incompatible with our institutional values and commitment to social justice, anti-racism, diversity, and educational equity.

We understand that the individuals that give a name to the College’s buildings represent, inspire, and reinforce the values of the institution. As important as moving away from Thorndike is to have a process to choose the new name that reflects TC’s commitment to open debate, democracy, and giving voice to all. It is also key to choose a new name that expresses TC’s core commitments in a global society. TC has grown from a US-facing institution to a truly global school: its impact today reaches the entire world. In this context, we request the Board to strongly consider to name the building PAULO FREIRE HALL, for the following reasons:

1. Paulo Freire’s views on Education reinforce one of TC’s founding principles: “to provide a new kind of schooling for the underprivileged, one dedicated to helping them improve the quality of their everyday lives.” The pedagogy promoted by Freire is closely aligned to TC’s mission: promoting equity and excellence in education and overcoming the gap in educational access and achievement. These notions are exactly what Freire proposes in his work, highlighting that people, through education and the development of critical consciousness, might change the world for the better. Paulo Freire was also the pioneer in culturally relevant pedagogy, a hallmark of TC’s ethos.

2. Paulo Freire is one of the most influential education authors of all time. If academic influence is to be measured by current citation metrics, Paulo Freire stands out as the most cited educator of all times with almost 500,000 citations, and one of the most cited scholars across all fields. His seminal book Pedagogy of the Oppressed has more Google Scholar citations than Freud’s “The Interpretation of Dreams” and Foucault’s “Discipline and Punish”, was translated into more than 40 languages, and is present in the syllabus of numerous courses at TC.

3. Praising non-US voices and recognizing equal value of leaders from the Global South. To be coherent with its Diversity Mission, TC should consider naming its building after a voice from the Global South and reinforce the President’s and College’s commitment concerning community, diversity, civility, equity, and anti-discrimination. Naming a building after Freire would stand out as a clear sign of adherence to diversity on a global scale, and to the idea that we, as educators, must consider different ways of knowing and being. None of the buildings at TC pay homage to international scholars, despite the fact that TC is, today, a highly international institution: 20% of students are international, and in some programs the number is well above 60%. In other words, in many programs, more than half of the students are international.

4. Reinforcing the value of sociopolitical consciousness and freedom in times of authoritarian governments. To accept that all individuals are entitled to be treated with dignity, have the same opportunities, and be more fully human is in contradiction with many of the current conservative and authoritarian ideas gaining popularity around the world. To name the building after Paulo Freire would be a means to advocate for the oppressed around the world and to reinforce the College’s quest for a less unequal social order.

5. In 2021 Paulo Freire would turn 100. His centennial is an opportunity to not only pay homage to his legacy but also recognize the efforts of many communities around the world that are inspired by his work, from indigenous communities in the Amazon to the Landless Movement in rural Latin America. These communities are hit twice with global inequity, oppression, and racism: first, they are oppressed in their own countries, and second, by being outside of the developed world, they do not have the means to make their voices heard. Paulo Freire has inspired these groups for decades.

Acknowledging the timely and correct decision of changing the hall’s name, we also urge the Board to be coherent with TC’s commitment to open debate and to giving voice to all. We need to make sure that the process of choosing the new name for the building is transparent and democratic, where students, professors, researchers, and staff have a chance to actively engage in this process. A process without representation from international students, without allowing them to voice concerns and preferences, would be a disappointing follow up to such a momentous change at TC.

The engagement with the idea of the Paulo Freire Hall is a clear message against colonialist discourses that place the US and Europe at the center of academic debate. The Paulo Freire Hall represents the recognition that the US and Europe should not be always considered the locus of academic imagination and importance. This is what we learn at TC. We learn that discourses of racial, national, or gender superiority should be countered, and that the historical privilege given to developed regions of the world should not be reproduced indefinitely. The Paulo Freire Hall would be a clear recognition that TC, as a global institution, rejects these colonialist notions and looks at a scholars’ impact globally, especially from regions of the world that have been historically marginalized. The desire for social justice and equality cannot come at the expense of dehumanizing other peripheral populations such as the Latinx and Latin American community at TC.

The choice of the new name for TC’s building should be a display of our values in the decision-making process itself. We should not let anything overcome the need for an open debate. There are almost 1000 international students at TC. There are multiple discourses of social justice in the world, and to assume otherwise would be an unfortunate political act to the large community of Latinx and Latin American students at TC.

Carta de Apoio: O “Paulo Freire Hall” no Teachers College, Columbia University

Nova York, 23 de julho de 2020

PARA:

Conselho Diretor do Teachers College, Columbia University
William D. Rueckert, Presidente
Leslie Morse Nelson, Vice-Presidente
Thomas Bailey, Presidente do Teachers College

RE: PAULO FREIRE HALL NO TEACHERS COLLEGE, UNIVERSIDADE DE COLUMBIA

Caros membros do Conselho Diretor do Teachers College, Columbia University,

Em primeiro lugar, queremos agradecer a decisão corajosa de remover o nome de Edward Thorndike de um de nossos prédios. Suas ideias eugenistas, racistas, anti-semitas e sexistas são incompatíveis com os valores institucionais desta universidade e seu compromisso com a justiça social, o anti-racismo, a diversidade e eqüidade educacional.

Entendemos que os indivíduos que dão nome aos prédios do Teachers College representam, inspiram e reforçam os valores da instituição. Tão importante quanto se afastar de Thorndike é ter um processo para escolher o novo nome que reflita o compromisso do Teachers College com o debate, a democracia e a oportunidade de voz a todos. Também é fundamental escolher um novo nome que expresse os principais compromissos da universidade em uma sociedade global. O Teachers College se transformou de uma instituição voltada para os EUA em uma escola verdadeiramente global: seu impacto hoje atinge o mundo inteiro. Neste contexto, solicitamos ao Conselho considerar fortemente a nomeação deste prédio PAULO FREIRE HALL, pelas seguintes razões:

1. As perspectivas de Paulo Freire sobre Educação reforçam um dos princípios fundadores do Teachers College:“fornecer um novo tipo de educação para os mais desfavorecidos, dedicado a ajudá-los a melhorar a qualidade de suas vidas cotidianas.” A pedagogia promovida por Freire está intimamente alinhada com a missão da universidade: promover a equidade e a excelência na educação e superar a lacuna no acesso e desempenho educacional. Essas noções são exatamente o que Freire propõe em seu trabalho, destacando que as pessoas, através da educação e do desenvolvimento da consciência crítica, podem mudar o mundo para melhor. Paulo Freire também foi o pioneiro da pedagogia culturalmente relevante, uma eixo fundamental do Teachers College.

2. Paulo Freire é um dos autores de educação mais influentes de todos os tempos. Considerando a influência acadêmica medida pelas atuais métricas de citação, Paulo Freire se destaca como o educador mais citado de todos os tempos, com quase 500.000 citações, e um dos estudiosos mais citados em todos os campos. Seu livro seminal Pedagogia do Oprimido tem mais citações no Google Acadêmico do que “A Interpretação dos Sonhos”, de Freud, e “Disciplina e Punição”, de Foucault, foi traduzido para mais de 40 idiomas e está presente nos programas de numerosos cursos do Teachers College.

3. Destaque a vozes de fora dos EUA e reconhecimento do mesmo valor a líderes do Sul Global. Para ser coerente com sua Missão de Diversidade, o Teachers College deve considerar nomear seu edifício em homenagem a uma voz do Sul Global e reforçar o compromisso do reitor e da instituição em relação à comunidade, diversidade, civilidade, equidade e anti-discriminação. Nomear um edifício em homenagem a Freire se destacaria como um sinal claro de adesão à diversidade em escala global e à ideia de que nós, como educadores, devemos considerar diferentes maneiras de conhecer e de ser. Nenhum dos prédios do Teachers College presta homenagem a estudiosos internacionais, apesar do fato de o Teachers College ser hoje uma instituição altamente internacional: 20% dos estudantes são internacionais e, em alguns programas, o número está bem acima de 60%. Em outras palavras, em muitos programas, mais da metade dos estudantes são internacionais.

4. Reforçar o valor da consciência sociopolítica e da liberdade em tempos de governos autoritários. Aceitar que todos os indivíduos têm direito a ser tratados com dignidade e a ter as mesmas oportunidades está em contradição com muitas das atuais idéias conservadoras e autoritárias que estão ganhando popularidade em todo o mundo. Nomear o prédio em homenagem a Paulo Freire seria um meio de defender os oprimidos em todo o mundo e reforçar a busca do Teachers College por uma ordem social menos desigual.

5. Em 2021, Paulo Freire completaria 100 anos. Seu centenário é uma oportunidade para não apenas homenagear seu legado, mas também reconhecer os esforços de muitas comunidades ao redor do mundo que são inspiradas por seu trabalho, desde comunidades indígenas na Amazônia até o Movimento Sem Terra na América Latina. Essas comunidades são atingidas duplamente com a desigualdade global, opressão e racismo: primeiro, são oprimidos em seus próprios países e, segundo, por estarem fora do mundo desenvolvido, não têm meios de fazer ouvir suas vozes. Paulo Freire inspira esses grupos há décadas.

Reconhecendo a decisão oportuna e correta de mudar o nome do edifício, também instamos a Diretoria a ser coerente com o compromisso do Teachers College de abrir o debate e dar voz a todos. Precisamos garantir que o processo de escolha do novo nome para o edifício seja transparente e democrático, onde estudantes, professores, pesquisadores e funcionários tenham a capacidade de se envolver ativamente nesse processo. Um processo sem representação de estudantes internacionais, sem permitir que eles expressem preocupações e preferências, não faria sentido frente uma mudança tão importante no Teachers College.

A opção por Paulo Freire Hall é uma mensagem clara contra os discursos colonialistas que colocam os EUA e a Europa no centro do debate acadêmico. Paulo Freire Hall representa o reconhecimento de que os EUA e a Europa nem sempre devem ser considerados o lugar da imaginação e da importância acadêmica. É isso que aprendemos no Teachers College. Aprendemos que discursos de superioridade racial, nacional ou de gênero devem ser combatidos e que o privilégio histórico dado às regiões desenvolvidas do mundo não deve ser reproduzido indefinidamente. O Paulo Freire Hall seria um reconhecimento claro de que o Teachers College, como instituição global, rejeita essas noções colonialistas e analisa o impacto de pesquisadoras e pesquisadores globalmente, especialmente aquelas e aqueles de regiões do mundo historicamente marginalizadas. O desejo de justiça social e igualdade não pode se dar às custas da desumanização de populações periféricas.

A escolha do novo nome para o prédio do Teachers College deve ser uma expressão de nossos valores no próprio processo de tomada de decisão. Não devemos deixar que nada supere a necessidade de um debate aberto. Existem quase 1000 estudantes internacionais no Teachers College. Existem vários discursos de justiça social no mundo, e supor o contrário seria um ato político infeliz para a grande comunidade de estudantes Latino Americanos no Teachers College.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!