Quem era Carlos Marighella, que virou filme e que completa 110 anos de nascimento

Veja Marighella
Carlos Marighella (1911-1969)
Reprodução / Iconographia

Carlos Marighella nasceu em Salvador no dia 5 de dezembro de 1911. Ele completa, portanto, 110 anos hoje de nascimento. Morreu assassinado pela ditadura militar em São Paulo, em 4 de novembro de 1969. Ele foi político, escritor (famoso por poesias) e um guerrilheiro comunista da luta armada. Conheça mais sobre ele.

LEIA MAIS:

1 – Empresas que bancam Instituto Neymar cometeram fraudes, diz CGU

2 – Veja o VÍDEO de melhores momentos de Lula no PodPah

3 – Bolsonaro já escolheu o chefe da campanha para a reeleição

A verdadeira história de Marighella

Era filho de um imigrante italiano chamado Augusto Marighella, operário metalúrgico, mecânico e ex-motorista de caminhão de lixo que chegara a São Paulo e se transladara à Bahia. Sua mãe era a baiana e ex-empregada doméstica Maria Rita do Nascimento, negra e filha livre de escravos africanos trazidos do Sudão (negros hauçás).

No ano de 1934, ele abandonou o curso de engenharia civil da Escola Politécnica da Bahia para ingressar no PCB. Tornou-se então, militante profissional do partido e se mudou para o Rio de Janeiro, trabalhando na reorganização do famoso Partidão.

Foi preso pela primeira vez em 1932, após escrever um poema contendo críticas ao interventor Juracy Magalhães. Libertado, prosseguiria no ativismo político, interrompendo os estudos universitários no terceiro ano, em 1934, quando deslocou-se para o Rio.

Em 1º de maio de 1936, foi preso por subversão e torturado pela polícia subordinada a Filinto Müller.

Permaneceu encarcerado por um ano. Foi solto pela “macedada” – nome da medida tomada pelo ministro da Justiça José Carlos de Macedo Soares, que libertou os presos políticos sem condenação.

Veja Marighella
Marighella viveu em Salvador até 1936, quando foi transferido para o Rio de Janeiro, tornando-se militante profissional do PCB – Arte: Fernando Bertolo/Reprodução/Brasil de Fato

Ao sair da prisão entrou para a clandestinidade, sendo recapturado em 1939 e novamente torturado, permanecendo na prisão até 1945, quando foi beneficiado com a anistia do processo de redemocratização do país.

Elegeu-se deputado federal constituinte pelo PCB baiano em 1946. Conheceu a China de Mao nos anos 50.

No mês de março de 1964, ajudou a redigir o discurso proferido pelo marinheiro José Anselmo dos Santos, o “cabo Anselmo”, durante a Revolta dos Marinheiros.

Em maio, após o golpe militar, foi baleado e preso por agentes do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) dentro de um cinema, no Rio de Janeiro.

Veja Marighella
Marighella. Foto: Reprodução/Instagram Maria Marighella

Libertado em 1965 por decisão judicial, no ano seguinte optou pela luta armada contra a ditadura, escrevendo o livro A Crise Brasileira. No mês de dezembro de 1966, renunciou à Comissão Executiva Nacional do PCB. Em agosto de 1967, participou da I Conferência da Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS), realizada em Havana, Cuba, a despeito da orientação contrária do PCB.

Aproveitando a estada em Havana, redigiu Algumas Questões Sobre a Guerrilha no Brasil, dedicado à memória do guerrilheiro Che Guevara e tornado público pelo Jornal do Brasil em 5 de setembro de 1968.

Foi expulso do partido em 1967 e em fevereiro de 1968 fundou o grupo armado Ação Libertadora Nacional (ALN), que no ano seguinte participaria do sequestro do embaixador norte-americano Charles Elbrick, em uma ação conjunta com o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8).

Com o endurecimento da militar, os órgãos de repressão o elegeram como inimigo “número um”.

Na noite de 4 de novembro de 1969, delatado por freis dominicanos que o ajudavam e que foram torturados, Marighella foi surpreendido por uma emboscada na alameda Casa Branca, em São Paulo.

Foi morto com pelo menos cinco tiros por agentes do Dops. Um deles à queima roupa. Ele não estava armado na ocasião, diferente do que disse a ditadura militar na época. Estava com cápsulas de cianureto, um veneno, para não sofrer as torturas.

Veja Marighella
Marighella na capa da revista Veja. Foto: Reprodução

A ação foi coordenada pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, figura conhecida da tortura da ditadura. Nos cinemas, em filme dirigido por Wagner Moura (com poucas adaptações comparado com a biografia), Marighella é interpretado pelo ator e músico Seu Jorge.

Veja Marighella
Poster do filme Marighella. Foto: Divulgação

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.