Caso Daniel Silveira lembra o baiano que torceu pela morte do carioca e acabou preso. Por Kakay

Daniel Silveira no IML do Rio. Foto: Reprodução/TV Globo

Por Kakay

A discussão sobre a constitucionalidade da prisão do Deputado bolsonarista bem como a legalidade da audiência de custódia no caso dividiu o meio jurídico.

Há argumentos para todos os gostos. Me lembrei de um júri que assisti em Patos de Minas quando era menino.

Na cidade tinham 2 bêbados conhecidos de todos e que eram inimigos mortais.

Brigavam todo dia e viviam ameaçando de morte um ao outro.

Um baiano e um carioca.

Um dia o carioca amanhece morto.

A polícia não teve dúvida e prendeu o baiano, sem prova alguma.

O baiano vai a júri e o juiz pergunta:

– “O senhor matou o carioca?”

O baiano, com seu sotaque forte responde :

-“Acha bão é crime?”

O juiz, perplexo, indaga:

-“Por que?”

O baiano responde com a maior cara de pau, com sinceridade:

– “Matar eu não matei não, mas achei bão demais…”